Zelo no deserto

  • por

A história lembra Simon bar Kokhba (Simon Ben Kosevah) como o homem que liderou e falhou na última revolta judaica contra a Roma Imperial de 132-135 CE. Como o autoproclamado príncipe do povo judeu na Judéia, ele exigiu que todos os judeus o seguissem em uma guerra de independência contra Roma. Ele liderou esta revolta porque os romanos pretendiam construir outra cidade pagã (Aelia Capitolina) sobre as ruínas de Jerusalém (arruinadas na Revolta 66-73 CE falhou). Esta cidade teria um templo dedicado a Júpiter, um deus romano pagão.

Embora inicialmente bem-sucedidos de sua base no deserto da Judéia, suas fortunas mudaram quando o poder total das legiões romanas imperiais contra- atacou. Bar Kochba e inúmeros outros judeus insurretos foram brutalmente mortos na vitória final de Roma. Antes de sua derrota, muitos judeus sábios, incluindo Rabi Akiva, um dos principais contribuintes para a Mishná, proclamou-o como o Messias.

Bar Kokhba dirigiu seu zelo religioso do deserto contra um inimigo externo – a Roma Imperial. Sua visão via a paz messiânica apenas se concretizando se o poder militar de ocupação alienígena fosse expulso e Sião fosse libertada da ocupação estrangeira.

Bar Kochba em contraste com João Batista

Em seu zelo religioso e fervor messiânico do deserto, Bar Kokhba se parecia com seu compatriota João Batista, que o precedeu por cerca de 100 anos. No entanto, embora igualmente zelosos, diferiam na forma como viam o problema fundamental e, consequentemente, a solução fundamental. Comparar esses dois revolucionários nos ajudará a entender ideias concorrentes sobre a situação humana e a solução que o Evangelho apresenta.

João Batista na História Secular

João Batista, como Bar Kochba, era uma figura poderosa, muitas vezes retratada como rude nos filmes.

Como Bar Kochba, João Batista gerou muita polêmica e atraiu muita atenção. José, um historiador judeu do primeiro século, refere-se a ele com estas palavras:

“Ora, alguns dos judeus pensavam que a destruição do exército de Herodes veio de Deus, e com muita justiça, como castigo pelo que ele fez contra João, que se chamava Batista: porque Herodes o matou, que era um homem bom… Herodes, que temia que a grande influência que João tinha sobre o povo pudesse colocar em seu poder e inclinação para levantar uma rebelião … Assim, ele foi enviado como prisioneiro, por temperamento desconfiado de Herodes, para Macherus, o castelo que eu mencionei antes, e estava lá posto à morte.”

José, Antiguidades dos judeus, Livro 18, capítulo 5, 2

José menciona João Batista no contexto da derrota de Herodes Antipas contra um rival. Herodes Antipas matou João, e José nos informa que sua derrota posterior foi vista pelos judeus como um julgamento divino contra ele por ter executado João Batista.

João Batista nos Evangelhos

João Batista figura proeminentemente como o precursor de Jesus nos evangelhos. Lucas, um dos evangelhos do Novo Testamento, ancora firmemente João Batista na história, cruzando-o com outras figuras históricas bem conhecidas da época.

“No décimo-quinto ano do reinado de Tibério César, quando Pôncio Pilatos era governador da Judéia, Herodes tetrarca da Galiléia, seu irmão Filipe tetrarca da Itureia e Traconitis e Lisânias tetrarca de Abilene –

2 durante o sumo sacerdócio de Anás e Caifás, a palavra de Deus veio a João, filho de Zacarias, no deserto. 3 Ele foi por todo o país ao redor do Jordão, pregando um batismo de arrependimento para o perdão dos pecados. 4 Como está escrito no livro das palavras do profeta Isaías:

“Uma Voz que clama no deserto, ‘Prepare o caminho para o Senhor,

faça caminhos retos para ele.

5 Todo vale será preenchido,

cada montanha e colina abaixada.

As estradas tortuosas se tornarão retas, os caminhos ásperos suaves.

6 E todos verão a salvação de Deus.’”

Lucas 3: 1-6

Em apoio ao relato de Lucas, Mateus resume a mensagem de João Batista assim:

“Naqueles dias veio João Batista, pregando no deserto da Judéia 2 e dizendo: Arrependei-vos, porque está próximo o reino dos céus.”

Mateus 3: 1-2

A perspectiva de João

John viu o problema humano fundamental ser dentro nós. Portanto, sua pregação direcionou seus ouvintes a arrepender-se.

Arrepender-se (metanoia no grego) significa ‘mudança’ (= ‘meta’), sua ‘mente’ (=’noia’). Pense no dramático ‘de uma lagarta objetivo morfoses’ quando sua forma (‘morfe’) muda para a de uma borboleta.

John pregou sobre a necessidade de uma mudança de mentalidade tão dramática que transforma a maneira como vivemos, não derrubando governos e lutando contra estrangeiros como Bar Kokhba pensava, mas tratando os outros – quem quer que sejam – de maneira compassiva e justa. Esse arrependimento nos ‘prepararia’ para o caminho do Senhor. Na mente de João, sem esse arrependimento, não veríamos ou compreenderíamos o Reino de Deus, nem experimentaríamos seu ‘perdão’.

Confissão em Nosso Arrependimento

Um indicador do verdadeiro arrependimento interior que João procurava era este:

“Pessoas iam a ele de Jerusalém e de toda a Judéia e de toda a região do Jordão.

6 Confessando seus pecados, eles foram batizados por ele no rio Jordão.

Mateus 3: 5-6

Isso contrasta as ações em outro relato bíblico – o de Adão e Eva. Depois de comerem o fruto proibido, a Bíblia diz que Adão e Eva:

‘…se esconderam do Senhor Deus entre as árvores do jardim.’

Gênesis 3: 8

Desde então, essa tendência de esconder nossos pecados, fingindo que não fizemos nada de errado, vem muito naturalmente para nós. Confessar e nos arrepender de nossos pecados é consideravelmente difícil para nós, porque expõe nossa culpa e vergonha. Nós preferimos tentar qualquer outra coisa, menos isso. Não obstante, a convicção e a mensagem de João enquadravam o arrependimento e a confissão como essenciais para preparar as pessoas para que pudessem experimentar a vinda do Reino de Deus.

Aviso aos líderes religiosos que não se arrependem

Algumas pessoas realmente fizeram isso, mas nem todas podiam honestamente admitir seus pecados diante de si mesmas e de Deus. O Evangelho diz que:

“Mas, quando viu muitos fariseus e saduceus chegando ao local onde batizava,

disse-lhes: “Raça de víboras! Quem te avisou para fugir da ira

vindoura? 8 Produza frutos em conformidade com o arrependimento. 9 E não pensem que podem dizer a si mesmos: ‘Temos Abraão como nosso pai.’ Eu lhes digo que dessas pedras Deus pode levantar filhos para Abraão. 10 O machado já está na raiz das árvores e toda árvore que não der bons frutos será cortada e lançada no fogo.”

Mateus 3: 7-10

Os fariseus e saduceus, mestres da lei religiosa judaica, trabalhavam diligentemente para manter todas as observâncias (orações, jejuns, sacrifícios etc.) conforme ordenado pela lei. Todos pensavam que esses líderes, com todo o seu aprendizado e esforços religiosos, eram os que estavam garantidos ter tido a aprovação de Deus. Mas João os chamou de ‘raça de víboras’ e os advertiu sobre o próximo julgamento de fogo!

Por que João faria tal afirmação?

Por não ‘produzirem frutos de acordo com o arrependimento’, eles mostraram que não haviam se arrependido verdadeiramente. Eles não confessaram seu pecado, mas em vez disso esconderam seu pecado por trás de suas observâncias religiosas. Sua herança religiosa, embora boa, os deixou orgulhosos em vez de arrependidos.

Fruto do arrependimento

Com a confissão e o arrependimento veio a expectativa de viver de forma diferente. As pessoas perguntaram a João Batista como deveriam demonstrar o fruto de seu arrependimento e ele respondeu:

10 “O que nós devemos fazer então?” a multidão perguntou.

11 João respondeu: “Quem tem duas camisas deve repartir com quem não tem

nenhuma, e quem tem comida deve fazer o mesmo”.

12 Até cobradores de impostos vieram para ser batizados. “Mestre”, eles perguntaram, “o que devemos fazer?”

13 “Não colete mais do que o necessário”, disse a eles.

14 Então alguns soldados lhe perguntaram: “E o que devemos fazer?”

Ele respondeu: “Não extorque dinheiro e não acuse as pessoas falsamente –

fique satisfeito com o seu pagamento”.

Lucas 3: 10-14

João era o Cristo?

Por causa da força de sua mensagem, muitas pessoas se perguntavam se João era o Cristo. É assim que o Evangelho registra essa discussão:

15 As pessoas estavam esperando com expectativa e todos se perguntavam em seus corações se João poderia ser o Messias. 16 João respondeu a todos: “Eu os batizo com água. Mas virá alguém mais poderoso do que eu, cujas tiras das sandálias não sou digno de desamarrar. Ele o batizará com o Espírito Santo e com fogo. 17 Seu garfo de peneira está em sua mão para limpar sua eira e recolher o trigo em seu celeiro, mas ele queimará o joio com fogo inextinguível”. 18 E com muitas outras palavras João exortou o povo e proclamou-lhes as boas notícias

Lucas 3:15-18

João Batista na profecia

O espírito independente de João o levou a se vestir grosseiramente e comer comida selvagem no deserto. No entanto, este não foi apenas um exemplo de seu espírito; era também um sinal importante. O profeta Malaquias havia encerrado o Antigo Testamento 400 anos antes com o seguinte:

““Enviarei meu mensageiro, que preparará o caminho diante de mim. Então, de repente, o Senhor que você está procurando virá ao seu templo; o mensageiro da aliança, a quem você deseja, virá”, diz o Senhor Todo- Poderoso.

Malaquias 3: 1

“Veja, eu enviarei o profeta Elias a você antes que venha aquele grande e terrível dia do Senhor. 6 Ele converterá o coração dos pais para seus filhos, e o coração dos filhos para seus pais; ou então virei e ferirei a terra com destruição total.”

Malaquias 4:5-6 (400 AEC)

Elias tinha sido um profeta primitivo que também viveu e comeu no deserto, vestido com uma

“… roupa de cabelo e tinha um cinto de couro em volta da cintura.”

2 Kings 1: 8

tempo de João Batista junto com aqueles que previram sua missão

Então, quando João Batista viveu e se vestiu da maneira que ele fez, foi para mostrar que ele era o Preparador que viria profetizado para vir no Espírito de Elias. Suas vestes, seu estilo de vida e tendência a comer no deserto mostravam que João Batista veio no plano predito de Deus.

Conclusão

João Batista veio para preparar as pessoas para que estivessem prontas para o Reino de Deus. Mas ele não os preparou dando-lhes mais Leis, ou levando-os à rebelião como Bar Kochba fez. Em vez disso, ele os preparou pedindo seu arrependimento do pecado e sua confissão. Isso é mais difícil do que seguir regras mais rígidas ou participar de uma insurreição, pois expõe nossa vergonha e culpa.

Os líderes religiosos daquela época não conseguiam se arrepender e confessar seus pecados. Em vez disso, eles usaram sua religião para esconder seus pecados. Cem anos depois, usaram a religião para canalizar a malfadada rebelião de Bar Kochba. Por causa de suas escolhas para evitar o arrependimento, eles não estavam preparados para reconhecer o Cristo e entender o Reino de Deus. A advertência de João é igualmente relevante para nós hoje. Ele sustenta que devemos nos arrepender de nossos pecados e confessá-los. Isso nos permite experimentar o Reino de Deus, que João ajudou a inaugurar em sua batismo de Jesus, o próximo evento histórico que exploramos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *