A Precisão E Poder de Pentecoste

O Dia de Pentecoste sempre cai em um domingo. O dia celebra um dia memorável, mas não é apenas o que aconteceu naquele dia, mas quando e porquê ele aconteceu que revela a mão de Deus, e um presente poderoso para você.

O que aconteceu em Pentecoste

Se você já ouviu falar de ‘Pentecostes’, você provavelmente aprendeu que foi o dia quando o Espírito Santo desceu para habitar nos seguidores de Jesus. Este é o dia em que a Igreja, os “chamados para fora” de Deus, nasceu. Os acontecimentos estão registrados em Atoss capítulo 2 da Bíblia.  Naquele dia, o Espírito de Deus desceu sobre os primeiros 120 seguidores de Jesus e eles começaram a falar, em voz alta, em línguas faladas ao redor do mundo. O acontecido criou tanta comoção que milhares de pessoas que estavam em Jerusalém na época vieram para ver o que estava acontecendo. Na frente da multidão reunida, Pedro ministrou a primeira mensagem do evangelho e ‘naquele dia houve um acréscimo de cerca de três mil pessoas’ (Atos 2:41). O número dos seguidores do evangelho estava crescendo desde que o domingo de Pentecoste.

O dia aconteceu 50 dias após a ressurreição de Jesus. Foi durante estes 50 dias que os discípulos de Jesus se convenceram de que Jesus havia ressuscitado dos mortos. No domingo de Pentecoste eles tornaram sua crença pública e tudo mudou. Se você acredita ou não na ressurreição, sua vida foi afetada pelos acontecimentos daquele domingo de Pentecoste.

Este entendimento de Pentecoste, embora correto, não está completo. Muitas pessoas querem uma repetição, através de uma experiência semelhante, do que aconteceu naquele domingo de Pentecoste. Desde que os primeiros discípulos de Jesus tiveram essa experiência do Pentecoste ao ‘aguardarem o dom do Espírito,’ hoje as pessoas, de maneira semelhante, acreditam que se esperarem o Espírito virá de maneira igual. Entretanto, muitas pessoas imploram e esperam que Deus realize outro domingo de Pentecoste. Pensar desta maneira presume que foi a espera e a oração que moveu o Espírito de Deus naquela época. Pensar desta maneira é errar sua precisão – pois o Pentecoste registrado em Atos capítulo 2 não foi o primeiro Pentecoste.

Pentecoste da Lei de Moisés

‘Pentecoste’ era na verdade um festival annual do Antigo Testamento. Moisés (1500 AC) havia estabelecido vários festivais para serem celebrados por todo o ano. A Páscoa era o primeiro festival do ano judaico.  Jesus for a crucificado em um dia do festival da Páscoa. O exato momento de sua morte  combinando com o momento dos sacrifícios da Páscoa foi um sinal.

O segundo festival era a festa das Primícias, e a Lei de Moisés afirmava que ela deveria ser celebrada um dia após o sábado da Páscoa (=Domingo). Jesus ressuscitou no domingo, portanto, sua ressurreição aconteceu exatamente no Festival das Primícias. Uma vez que sua ressurreição se deu nas ‘Primícias’, isto era uma Promessa de que nossa ressurreição aconteceria mais tarde (para todos aquele que nele confiam).  Sua ressurreição é literalmente ‘os primeiros frutos (primícias)’, assim como o nome da festa profetizava.

Precisamente 50 dias após o Domingo das ‘Primícias’ os judeus celebravam o Pentecoste (‘Penta’ que significa 50.  Era também chamada de Festa das Semanas uma vez que ela era contada em sete semanas). Os judeus tinham estado celebrando  o Pentecoste por 1500 anos na época em que o Pentecoste de Atos 2 aconteceu.  O motivo pelo qual havia pessoas de todas as partes do mundo no dia de Pentecoste em Jerusalém para ouvir a mensagem e Pedro foi justamente porque esperava-se que aquelas pessoas comemorassem o Pentecoste do Antigo Testamento. Ainda hoje os judeus comemoram o Pentecoste, mas eles chamam esta festa de Shavuot.

Lemos no Antigo Testamento como o Pentecoste devia ser celebrado:

… cinquenta dias depois que ofereceram esse feixe, apresentem a Deus, o Senhor, outra oferta da colheita de cereais. Cada família deverá apresentar dois pães feitos com a melhor farinha e com fermento. Cada pão deverá pesar dois quilos. Esses pães são uma oferta a Deus, o Senhor, tirada da melhor parte da colheita de trigo. (Levítico 23:16-17)

Precisão de Pentecoste: Evidência de uma Mente

Há um tempo preciso para o Pentecoste de Atos 2 porque ele aconteceu exatamente no mesmo dia do ano que se comemorava o Pentecoste (Festa das Semanas) do Antigo Testamento. O fato de que crucificação de Jesus aconteceu na Páscoa, a ressurreição de Jesus aconteceu na Festa das Primícias, e o Pentecoste de Atos 2 aconteceu na Festa judaica das Semanas aponta para uma Mente coordenando todas estes acontecimentos na história. Com tantos dias no ano por que a crucificação de Jesus, sua ressurreição, e então a vinda do Espírito Santo aconteceram precisamente, cada uma em um dia específico destes três festivais da primavera do Antigo Testamento, a não ser que tais acontecimentos tenham sido planejados? Precisão como esta só acontece se houver uma mente por trás dos acontecimentos.

Os acontecimentos do Novo Testamento aconteceram precisamente em três festivais de primavera do Antigo Testamento
Os acontecimentos do Novo Testamento aconteceram precisamente em três festivais de primavera do Antigo Testamento

Lucas ‘inventou’ Pentecoste?

Alguém pode argumentar que Lucas (o autor de Atos) inventou os acontecimentos de Atos 2 para que eles ‘acontecessem’ no dia de Pentecoste. Então ele seria a ‘mente’ por trás do tempo preciso dos eventos. Mas o registro de Lucas não diz que Atos 2 é o ‘cumprimento’ da Festa de Pentecoste, o registro sequer menciona algo do tipo. Por que Lucas se daria o trabalho de criar tais acontecimentos dramáticos para que eles ‘acontecessem’ naquele dia, mas não ajudaria o leitor a entender como o acontecimento ‘cumpre’ a Festa de Pentecoste? Na verdade, Lucas fez um trabalho tão bom de registrar os acontecimentos em vez de interpretá-los que a maioria das pessoas hoje não sabe que os acontecimentos de Atos 2 caíram exatamente no mesmo dia em que se comemorava a Festa de Pentecoste do Antigo Testamento. Muitas pessoas pensam que o Pentecoste simplesmente começou em Atos 2. Uma vez que maioria das pessoas não está consciente da conexão entre os dois acontecimentos, Lucas estaria na impossível situação de ser um gênio de inventar a relação entre os dois Pentecostes, mas de ser completamente incapaz de vender sua ideia.

Pentecoste: Uma Nova Força

Em vez disto, Lucas aponta para uma profecia do livro veterotestamentário de Joel, prevendo que um dia o Espírito de Deus seria derramado sobre todas as pessoas. O Pentecoste de Atos 2 cumpriu essa profecia.

Um motivo que o Evangelho é ‘boas novas’ é que ele fornece poder para vivermos uma vida de maneira diferente – melhor. A vida agora é uma união entre Deus e as pessoas. E esta união acontece através do habitar do Espírito Santo – que começou no domingo de Pentecoste de Atos 2. As Boas Novas é que a vida agora pode ser vivida em um nível diferente, em um relacionamento com Deus através de seu Espírito. A Bíblia coloca da seguinte maneira:

Quando ouviram a verdadeira mensagem, a boa notícia que trouxe para vocês a salvação, vocês creram em Cristo. E Deus pôs em vocês a sua marca de proprietário quando lhes deu o Espírito Santo, que ele havia prometido. 14 O Espírito Santo é a garantia de que receberemos o que Deus prometeu ao seu povo, e isso nos dá a certeza de que Deus dará liberdade completa aos que são seus. (Efésios 1:13-14)

Se em vocês vive o Espírito daquele que ressuscitou Jesus, então aquele que ressuscitou Jesus Cristo dará também vida ao corpo mortal de vocês, por meio do seu Espírito, que vive em vocês. (Romanos 8:11)

E não somente o Universo, mas nós, que temos o Espírito Santo como o primeiro presente que recebemos de Deus, nós também gememos dentro de nós mesmos enquanto esperamos que Deus faça com que sejamos seus filhos e nos liberte completamente. (Romanos 8:23)

O habitar do Espírito de Deus é outro aspecto das primícias, pois o Espírito é um antegosto – uma garantia – do processo que completará nossa transformação em ‘filhos de Deus’.

O evangelho oferece vida abundante não através de posses, prazer, status, riqueza e todas as outras trivialidades passageiras que são buscadas neste mundo, que Salomão descobriu ser uma bolha vazia, mas pelo habitar do Espírito de Deus.  Se isto for verdadeiro – que Deus nos oferece o habitar em nós e nos dar forças – isso é boas novas.  O Pentecoste do Antigo Testamento com a celebração dos pães levedados apresenta esta vindoura vida abundante.   A precisão entre o Pentecoste do Antigo Testamento e a do Novo Testamento é evidência perfeita de que Deus é a Mente por trás destes acontecimentos e este poder e vida abundante.

O Enigma da Profecia do Salmo 22

Há alguns anos um amigo e colega de trabalho, J, veio até a minha mesa. J era inteligente e educado – e definitivamente não cria no evangelho. Mas ele era, de certa forma, curioso, o que levou com que tivéssemos algumas boas e afetuosas conversas. Ele jamais havia analisado a Bíblia, portanto, eu o encorajei para que ele a investigasse.

Um dia ele veio até o meu escritório com uma Bíblia para me mostrar que ele estava dando uma olhada na Bíblia. Ele aleatoriamente abriu a Bíblia mais ou menos no meio. Eu lhe perguntei o que ele estava lendo. Nossa conversa foi algo mais ou menos assim:

“Estou lendo o salmo 22”, ele disse.

“Sério?”, eu disse. “Alguma ideia do que você está lendo?”

“Acho que estou lendo sobre a crucificação de Jesus”, J respondeu.

“Foi uma boa conjectura”, eu ri. “Mas você está adiantado cerca de mil anos. O Salmo 22 foi escrito por Davi cerca de 1000 antes de Cristo. A crucificação de Jesus se deu aproximadamente no ano 30 da Era Comum”.

Não estando familiarizado com a Bíblia, J não se deu conta de que os Salmos não eram os registros da vida de Jesus escritas por seus contemporâneos. J só havia ouvido estórias acerca de Jesus, incluindo sua crucificação, e ao abrir a Bíblia aleatoriamente e ter lido algo como aquela passagem, a partir da perspectiva dele, a passagem bíblica parecia descrever a crucificação, e sem saber mais sobre a Bíblia, ele simplesmente presumiu que era a história da crucificação. Tivemos umas boas risadas sobre seu primeiro deslize na leitura da Bíblia.

Então eu perguntei ao J o que ele viu no Salmo 22 que fez com que ele pensasse estar lendo sobre a crucificação de Jesus. Assim começou nosso pequeno estudo investigativo. Eu te convido a considerar algumas das semelhanças que J observou ao colocar as passagens lado a lado sobre a mesa. Para te auxiliar eu colori os textos que são semelhantes.

Comparação dos registros do Evangelho da Crucificação com os detalhes do Salmo 22

Detalhes da crucificação dos Evangelhos Salmo 22 – escrito 1000 AC
(Mateus 27: 31-48). ..Então o (Jesus) levaram para crucificá-lo…. 39 OS que passavam lhe lancavam insultos, balançando a cabeça 40 e dizendo: “… salve-se! Desça da cruz, se é o Filho de Deus!” 41 Ida mesma forma, os chefes dos sacerdotes,  os mestres da lei e os líderes religiosos zombavam dele. 42 “Salvou os outros, mas não é capaz de salvar a si mesmo! E é o rei de Israel! Desça agora da cruz, e creremos nele 43 Ele confiou em Deus. Que Deus o salve agora, se dele tem compaixão…Por volta das três da tarde Jesus bradou em alta voz…Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste?” …48 Imediatamente, um deles correu e, embebeu-a em vinagre, colocou-a na ponta de uma vara e deu-a a Jesus para beber.Marcos 15: 16-2016 Os soldados o levaram dentro à sala… Vestiram-no com um manto de púrpura, depois fizeram uma coroa de espinhos e a colocaram nele. 18 E começaram a saudá-lo: “Salve, rei dos judeus!” 19 Batiam-lhe na cabeça com uma vara e cuspiam nele. Ajoelhavam-se e lhe prestavam adoração. 20 Depois de terem zombado e vestiram-lhe suas próprias roupas. Então o levaram para for a, a fim de crucificá-lo…37 Com um alto brado, expirou.(JOÃO 19:34) não lhe quebraram as pernas..., perfurou o lado de Jesus com uma lança, e logo saiu sangue e água.…Eles o crucificaram… (JOÃO 20:25) [Tomas] se eu não vir as marcas dos pregos em suas mãos ,…”…JOÃO 19:23-24 Quando os soldados crucificaram Jesus, os soldados tomaram as roupas dele e as dividiram em quatro partes, uma para cada um deles, restando a túnica…Não vamos rasga-la”, disseram eles, “Vamos tirar a sorte para ver quem fica com ela” Meu Deus! Meu Deus! Por que me abandonaste? Por que estás tão longe de salvar-me, tão longe dos meus gritos de angústia? Meu Deus! Eu clamo de dia, mas não respondes; de noite, e não recebo alívio! …Todos os que me veem zombam de mim; eles lançam insultos sobre mim, balançando suas cabeças “Confiou no Senhor,” que o livre; livre-o, pois nele tem prazer”.9 9 Mas tu és o que me tiraste do ventre; fizeste-me confiar, estando aos seios de minha mãe. 10 Sobre ti fui lançado desde a madre; tu és o meu Deus desde o ventre de minha mãe.11 Não te alongues de mim, pois a angústia está perto, e não há quem ajude.12 Muitos touros me cercaram; fortes touros de Basã me rodearam. 13 Como leão voraz rugindo, escancaram a boca contra mim. 14 Como água me derramei, e todos os meus ossos se desconjuntaram. O meu coração é como a cera, derreteu-se no meu íntimo 15 Meu vigor secou-se como um caco de barro, e a minha língua gruda no céu da boca; deixaste-me no pó, à beira da morte.16 Câes me rodearam, um bando de homens maus me cercou; perfuraram minhas mãos e meus pés. 17 Posso contas todos os meus ossos; eles me encaram com desprezo. 18 Dividiram as minhas roupas entre si e tiraram sortes pelas minhas vestes.

O fato de que J fez uma conclusão lógica, embora equivocada, de que o salmo 22 era uma testemunha ocular da crucificação na Sexta-Feira Santa deve nos levar a fazer uma pergunta. Como explicamos a similaridade entre os registros do evangelho e os registros do Salmo 22? Seria isto uma coincidência do acaso que os detalhes podem ser tão precisamente idênticos ao ponto de incluir que TANTO as roupas seriam divididas (as roupas com costuras eram divididas nas costuras e repartidas entre os soldados) QUANTO lançar sortes (a vestimenta sem costura seria arruinada caso fosse rasgada, de sorte que eles lançaram sortes para ver quem ficaria com ela). O salmo 22 foi escrito antes que a crucificação tivesse sido inventada, mas ele ainda assim a descreve em seus vários detalhes (o perfurar das mãos e pés, ossos sendo desconjuntados – pelo fato de a vítima ser esticada enquanto fica pendurada). Ademais, o evangelho de João declara que sangue e água fluíram quando a lança perfurou o lado de Jesus, indicando um acúmulo de fluído na cavidade do pericárdio ao redor do coração. Jesus, portanto, morreu de ataque cardíaco. Isto se coaduna com a descrição do Salmo 22 de que ‘meu coração se tornou como cera’. A palavra hebraica no v. 16 de Salmo 22, que é traduzida por ‘perfurar’ literalmente significa ‘como um leão’. Em outras palavras as mãos e pés foram mutilados e destroçados no momento que foram perfurados. Portanto, o que fazemos com tudo isso?

Jesus, através da pena dos escritores do Evangelho, argumentou que estas semelhanças foram proféticas. Deus inspirou profetas veterotestamentários centenas de anos antes da vida de Jesus para prever os detalhes de sua vida e morte de maneira que nós possamos saber que tudo isto estava nos planos de Deus. O cumprimento profético seria como ter uma assinatura divina sobre estes acontecimentos da Sexta-Feira Santa uma vez que humano algum pode conhecer o futuro desta maneira. Isto seria evidência da intervenção de Deus na história.

A explicação de Bart Ehrman

Bart Ehrman, erudito bíblico bastante conhecido e critico do Evangelho, contesta dizendo que as credenciais proféticas do Salmo 22 estão erradas porque todo o ponto da história do Evangelho era a que de que o ‘Messias’ ou ‘Cristo’ era aquele que deveria ser sacrificado e o Salmo 22 nada diz da vítima ser o ‘Messias’. Conforme ele afirma:

“Mas o que fazer com o fato de que não havia profecias judaicas de que o Messias sofreria e morreria?” (Bart Ehrman, Jesus Interrupted. p. 234)

Mas isto suscita outra questão. Não é que só existe uma profecia (como a do Salmo 22) que Jesus iria cumprir, mas existem inúmeras delas. Todas elas são predições escritas por diferentes autores em diferentes períodos da história e a partir de camadas sociais diferentes por todo o período do Antigo Testamento – e elas são verificáveis uma vez que podemos averiguar se tais profecias aconteceram ou não. Logo, para aceitar o desafio de Ehrman, Daniel, vivendo no exílio na Babilônia por volta de 550 AC teve uma visão na qual lhe foi dito o seguinte enigma profético:

Depois de ser dada a ordem para reconstruir Jerusalém, sete anos vezes sete vão passar até que chegue o líder escolhido por Deus. As novas ruas e muralhas de Jerusalém durarão sessenta e dois anos vezes sete, mas será um tempo de muito sofrimento. No fim desse tempo, o líder escolhido por Deus será morto injustamente. (Daniel 9:25-26)

Hmm. Meu profundo respeito ao estudioso do Novo Testamento, mas ele deixou passar isto acerca do Antigo Testamento. Aqui, exatamente conforme ele desafiou, há uma profecia de que ‘O Ungido’ (= Cristo = Messias) seria ‘cortado’. O The tempo disto e os detalhes do ‘corte’, que previram o significado da morte de Jesus, completamente refutam a reivindicação de Ehrman de que não existe profecia no Antigo Testamento de que o ‘Cristo’ sofreria e morreria.

A explicação de Spong

Outros, como Shelby Spong, defendem que os acontecimentos da crucificação na Sexta-Feira Santa se deram simplesmente pelo fato de que os escritores do Evangelho fizeram com que os acontecimentos ‘se encaixassem’ na profecia. Ele tem uma análise detalhada, versículo a versículo, mostrando as semelhanças entre o Salmo 22 e a crucificação de Jesus nos Evangelhos. No mínimo, a teoria de Sponge significa que ele pensa que as similaridades exigem uma explicação. Mas sua explicação totalmente ignora o testemunho dos historiadores daquela época fora da Bíblia. Josefo e Tácito respectivamente nos dizem que:

“Nessa época houve um sábio… Jesus… bom, e…virtuoso. E muitas pessoas dentre os judeus e outras nações se tornaram seus discípulos. Pilatos o condenou para que fosse morto por crucificação” (Josefo. 90AD. Antiquities xviii. 33.  Josefo foi um historiador judeu)

“Cristus, o fundador do nome, foi posto a morte por Poncio Pilatos, procurador da Judeia no reino de Tibério” (Tácito. 117 AD. Annals XV. 44.  Tácito foi um historiador romano)

O testemunho deles concorda em termos amplos com os evangelhos de que Jesus foi cruficado. Isto é importante porque muitos dos detalhes no Salmo 22 são simplesmente particularidades do ato de ser crucificado. Se os escritores dos evangelhos fossem inventar ou grosseiramente distorcer os eventos reais para fazê-los ‘se encaixar’ no Salmo 22 então eles teriam basicamente que inventar todo o processo de crucificação. Contudo, ninguém daquela época negou sua crucificação, e o historiador judeu Josefo explicitamente afirma que foi desta maneira que ele foi executado.

Salmo 22 e o legado de Jesus

Mas o Salmo 22 não termina no v. 18 conforme na tabela acima – ele continua. Observe aqui como o modo se torna triunfante no final – após a pessoa ter morrido!

Todas as nações lembrarão de Deus, o Senhor, todos os povos da terra se voltarão para ele, e todas as raças o adorarão.

Pois o Senhor é Rei e governa as nações. Todos os orgulhosos se curvarão na sua presença, e o adorarão todos os mortais, todos os que um dia vão morrer.

As pessoas dos tempos futuros o servirão e falarão às gerações seguintes a respeito de Deus, o Senhor.

Os que ainda não nasceram ouvirão falar do que ele fez: “Deus salvou o seu povo!” (Salmo 22:27-31)

Observe que a passagem não está falando de forma alguma dos detalhes dos acontecimentos da morte dessa pessoa. Aqueles detalhes foram tratados na primeira seção do Salmo. O salmista está agora lidando com o impacto da morte desta pessoa sobre a ‘posteridade’ e ‘gerações futuras’ (v.30).  A quem isto se refere? A nós, vivendo 2000 anos após a crucificação. O salmista nos conta que a ‘posteridade’ que segue este homem ‘perfurado’ que padeceu uma morte horrível lhe‘ servirá’ e ‘ouvirá acerca dele’.  O versículo 27 prediz o escopo geográfico do impacto – ‘os limites da terra’ se lembrarão e os fará com que ‘se convertam ao Senhor’. O versículo 29 prediz que ‘todos os que morrem’ (uma vez que todos morrem e isso significa todos nós) irão um dia se prostrar diante dele.   A retidão deste homem será proclamada às pessoas que não estavam vivas (os ‘ainda não nascidos’) na época de sua morte.

Alguém não poderia fazer uma predição melhor deste legado subsequente da morte de Jesus do que a conclusão do Salmo 22 faz. Dois mil anos após Jesus, em meio às comemorações anuais globais da Sexta-Feira Santa, elas ressaltam o impacto mundial da morte de Jesus, cumprindo a conclusão do Salmo 22 como precisamente os versículos anteriores predisseram os detalhes de sua morte. Quem mais na história do mundo pode reivindicar tanto os detalhes de sua morte como também o legado de sua vida por um período tão longo no futuro, com cerca de mil anos antes de a pessoa ter vivido?

A conclusão do Salmo 22 não tem nada a ver com o fato de se os registros do evangelho copiaram informações dessa passagem ou inventaram os acontecimentos da crucificação pois ela agora está lidando com acontecimentos muito posteriores – aqueles acontecimentos de nossa época. Os escritores dos evangelhos, vivendo no primeiro século, não poderiam ‘inventar’ o impacto da morte de Jesus em nosso tempo. Eles não sabiam qual seria este impacto. Como Sponge incorpora este fato em sua explicação? Ele não incorpora. Ele ignora esta parte futura do Salmo 22.

Talvez, como o meu amigo J, você aproveitará a oportunidade para considerar o Salmo 22 à luz da crucificação de Jesus. Isto exigirá certo esforço mental. Mas não permita que isto te pare. A recompensa vale o custo porque o homem a quem o Salmo 22 se refere prometeu o seguinte:

… eu vim para que as ovelhas tenham vida, a vida completa. (João 10:10)

Isto certamente tornará os feriados da Páscoa em algo realmente gratificante. Eis aqui o Salmo 22 completo, e o registro da crucificação de acordo com Mateus, Marcos, Lucas e John.  Que você possa experimentar algumas destas bênçãos não apenas na Sexta-Feira Santa, mas em todos os dias do ano também.

 

 

Como os detalhes da morte de Cristo foram profetizados?

O “corte” de Cristo predito em detalhe pelos profetas do Antigo Testamento

Em nossa última postagem nós vimos que ‘Cristo’ seria ‘cortado’ após um ciclo específico de anos. Esta predição de Daniel foi cumprida na entrada triunfante de Jesus em Jerusalém – ali apresentado como Cristo de Israel – exatamente 173.880 dias após o decreto persa para restaurar Jerusalém ter sido promulgado. A expressão ‘cortado’ foi mencionada na imagem de Isaías do Ramo nascendo a partir de uma raiz aparentemente morta. Mas o que ele quis dizer com esta imagem?

Isaías mostrado em cronologia histórica. Ele viveu no período do governo dos reis davídicos
Isaías mostrado em cronologia histórica. Ele viveu no período do governo dos reis davídicos

Isaías também tinha escrito outras profecias em seu livro, utilizando temas diferentes do tema do Ramo. Um destes temas foi sobre a vinda do Servo. Quem era este Servo’? O que ele iria fazer? Vamos analisar em detalhe esta longa passagem. Eu reproduzo abaixo a passagem em sua totalidade e exatamente como ela é, apenas inserindo alguns comentários meus.

O Servo vindouro. A passagem completa de Isaías 52:13-53:12

Vejam, o meu servo agirá com sabedoria;

será engrandecido, elevado e muitíssimo exaltado.

Assim como houve muitos que ficaram pasmados diante dele;

sua aparência estava tão desfigurada, que ele se tornou irreconhecível como homem;

não parecia um ser humano; de igual modo ele aspergirá muitas nações,

e reis calarão a boca por causa dele. Pois aquilo que não lhes foi dito verão,

e o que não ouviram compreenderão. (Isaías 52:13-15)

Sabemos que este Servo será um homem, pois Isaías se refere ao Servo como um ‘ele’, ‘o’, ‘dele’, e especificamente descreve acontecimentos futuros (a partir das expressões ‘agirá’, ‘será levantado’, e assim sucessivamente), portanto, esta é uma profecia explícita. Mas do que tratava essa profecia?

Quando os sacerdotes judeus ofereciam sacrifícios para os israelitas, eles os aspergiam com sangue do sacrifício – simbolizando que seus pecados foram cobertos e não seriam mais mantidos contra eles. Mas aqui o texto diz que o Sevo aspergirá ‘muitas nações’, portanto, Isaías está dizendo, de maneira semelhante, que este Servo também irá prover aos não judeus assim como os sacerdotes do Antigo Testamento faziam pelos adoradores judeus.

Esta predição é paralela à de Zacarias de que o Ramo seria um sacerdote, unindo os papeis de Rei e Sacerdote, porque somente os sacerdotes poderiam aspergir sangue. Este escopo global de ‘muitas nações’ segue aquelas promessas históricas e verificáveis feitas séculos atrás a Abraão, de que ‘todas as nações’ serão abençoadas através de sua descendência.

Mas ao aspergir sobre as muitas nações a própria ‘aparência’ e ‘forma’ do Servo é predita como sendo ‘desfigurada’ e ‘irreconhecível’. E embora não fique prontamente claro o que o Servo fará, um dia as nações ‘entenderão’.

Quem creu em nossa mensagem? E a quem foi revelado o braço do Senhor? Ele cresceu diante dele  como um broto tenro,

e como uma raiz saída de uma terra seca.

Ele não tinha qualquer beleza ou majestade que nos atraísse,

nada havia em sua aparência para que o desejássemos.

Foi desprezado e rejeitado pelos homens, um homem de dores

e experimentado no sofrimento. Como alguém de quem

os homens escondem o rosto, foi desprezado, e nós não o tínhamos em estima. (Isaías 53:1-3)

Embora o Servo viesse a aspergir muitas nações, ele seria ‘desprezado’ e ‘rejeitado’, cheio de ‘sofrimento’ e ‘familiarizado com o sofrimento’.

Certamente ele tomou sobre si as nossas enfermidades

e sobre si levou as nossas doenças; contudo nós o consideramos

castigado por Deus, por Deus atingido e afligido.

Mas ele foi transpassado por causa das nossas transgressões,

foi esmagado por causa de nossas iniqüidades;

o castigo que nos trouxe paz estava sobre ele, e pelas suas feridas fomos curados. (Isaías 53:4-5)

O Servo irá assumir ‘nossa’ dor. Este Servo também será ‘perfurado’ e ‘esmagado’ em ‘castigo’. O castigo nos trará (àqueles nas muitas nações) ‘paz’ e nos curará.

Eu escrevo isto na sexta-feira santa. Tanto as fontes seculares quanto as bíblicas nos contam que neste dia aproximadamente 2000 anos atrás (mas ainda mais 700 anos após Isaías ter feito esta predição), Jesus foi crucificado. Ao fazer isto ele foi literalmente perfurado, conforme Isaías previu que o Servo seria, com os pregos da crucificação.

Todos nós, tal qual ovelhas, nos desviamos,

cada um de nós se voltou para o seu próprio caminho;

e o Senhor fez cair sobre ele a iniqüidade de todos nós.          (Isaías 53:6)

 Vimos em Corruptos… errando o alvo, que uma das definições bíblicas de pecado é ‘errar o alvo intencionado’. Como uma flecha torta, nós seguimos nosso próprio caminho. Este Servo carrega o mesmo pecado (iniquidade) que causamos.

Ele foi oprimido e afligido; e, contudo, não abriu a sua boca; como um cordeiro foi levado para o matadouro, e como uma ovelha que diante de seus tosquiadores fica calada, ele não abriu a sua boca. (Isaías 53:7)

O Servo será como um cordeiro sendo levado ao ‘matadouro’. Mas ele não protestará ou sequer ‘abrirá sua boca’. Vimos no Sinal de Abraão  que um carneiro foi usado como substituto para o filho de Abraão. Aquele carneiro – um cordeiro – foi morto. E Jesus foi morto no mesmo local  (Monte Moriá = Jerusalém). Vimos na Páscoa que um cordeiro foi morto na páscoa – e Jesus também foi morto na Páscoa.

 Com julgamento opressivo ele foi levado.
E quem pode falar dos seus descendentes?
Pois ele foi eliminado da terra dos viventes;
por causa da transgressão do meu povo ele foi golpeado. (Isaías 53:8)

 Este Servo é ‘cortado’ ‘da terra dos viventes’. Isto é exatamente o termo empregado por Daniel  quando ele predisse o que aconteceria ao Cristo após ele ser apresentado a Israel como seu Messias. Isaías prediz em mais detalhes que ‘cortado’ significa ‘cortado da terra dos viventes’ – isto é, morte! Então, naquela fatídica sexta-feira santa Jesus morreu, sendo literalmente ‘cortado da terra dos viventes’, pouquíssimos dias após ter sido apresentado como o Messias em sua entrada triunfante.

Foi-lhe dado um túmulo com os ímpios, e com os ricos em sua morte, embora não tivesse cometido nenhuma violência nem houvesse nenhuma mentira em sua boca.  (Isaías 53:9)

Apesar de Jesus ter sido executado e morrido como um criminoso (‘foi-lhe dado um túmulo entre os ímpios’), os escritores do evangelho nos contam que um homem rico, dos líderes do sinédrio, José de Arimatéia, pegou o corpo de Jesus e o enterrou em seu próprio túmulo (Mateus 27:60). Jesus literalmente cumpriu os dois lados da predição paradóxica – embora ele ‘tenha recebido um túmulo entre os ímpios’, ele também esteve ‘com o rico em sua morte’.

 Contudo, foi da vontade do Senhor
esmagá-lo e fazê-lo sofrer,
e, embora o Senhor tenha feito da vida dele
uma oferta pela culpa,
ele verá sua prole e prolongará seus dias,
e a vontade do Senhor
prosperará em sua mão. (Isaías 53:10)

Toda esta morte cruel não foi um acidente terrível ou um infortúnio. Foi explicitamente “a vontade de Deus” esmagá-lo. Mas por quê? Assim como cordeiros no sistema sacrificial mosaico eram ofertas pelos pecados de maneira que a pessoa oferecendo o sacrifício era tida como sem culpa, aqui a ‘vida’ deste Servo também é uma ‘oferta pelo pecado’. Pelo pecado de quem? Bem, considerando que ‘muitas nações’ seriam ‘aspergidas’ (acima), é o pecado das pessoas nas ’muitas nações’. Aqueles ’todos’ que ’se afastaram’ e ’ se desviaram’ de quem Isaías está falando somos eu e você.

Depois do sofrimento de sua alma, ele verá a luz e ficará satisfeito; pelo seu conhecimento meu servo justo justificará a muitos, e levará a iniqüidade deles. (Isaías 53:11)

Embora a passagem do Servo seja horrível, aqui ela muda o tom e se torna mais otimista e até mesmo triunfante. Após este terrível sofrimento (de ser ’cortado da terra dos viventes’ e receber ’um túmulo’), este Servo verá ’a luz da vida’. Ele voltará à vida?! Eu analisei a questão da ressurreição. Aqui a ressurreição é prevista.  E ao ‘ver a luz da vida’ este Servo ‘justificará’ muitos. ‘Justificar’ é o mesmo que conceder ‘retidão’. Lembre-se de que a fé de Abraão lhe foi ‘creditada’ ou dada ‘retidão’. De maneira semelhante, este Servo justificará ou creditará retidão a ‘muitos’.

Por isso eu lhe darei uma porção entre os grandes,

e ele dividirá os despojos com os fortes,

porquanto ele derramou sua vida até a morte,

e foi contado entre os transgressores.

Pois ele levou o pecado de muitos,

e pelos transgressores intercedeu. (Isaías 53:12)

A passagem do Servo aponta tão misteriosamente para a crucificação e ressurreição de Jesus que alguns críticos dizem que as narrativas do evangelho foram escritas especificamente para ‘se encaixarem’ nesta passagem do Servo. Mas em sua conclusão Isaías desfia estes críticos. A conclusão não é uma predição da crucificação e ressurreição como tal, mas do impacto da morte muitos anos após ela. E o que Isaías prediz? Este Servo, ainda que ele morra como um criminoso, estará um dia entre os ‘grandes’. Os escritores do evangelho não poderia fazer esta parte ‘se encaixar’ nas narrativas do evangelho, pois os evangelhos só foram escritos poucas décadas após a crucificação de Jesus – quando o impacto da morte de Jesus ainda estava em dúvida. Aos olhos do mundo, Jesus ainda era o líder executado de uma seita rejeitada  quando os evangelhos foram escritos.

Estamos hoje 2000 anos mais tarde e vemos o impacto desta morte e percebemos como através da história isto lhe tem tornado ‘grande’. Os escritores do evangelho não poderiam ter previsto isso. Mas Isaías previu. O Servo, também conhecido como o Ramo, através de seu sacrifício voluntário, começaria a atrair as pessoas a ele – para até mesmo o adorarem – assim como Jesus predisse quando ele chamou a si mesmo de o ‘o Filho do Homem’ em seu julgamento diante do sinédrio.

O Ramo: Brotando exatamente em tempo para ser… ‘Cortado’

Estamos explorando tema de o Ramo que se estende através dos escritos de vários profetas veterotestamentários. Vimos que Jeremias em 600 A.C. continuou o tema (que Isaías iniciou 150 anos mais cedo) e declarou que este Ramo seria um Rei. Em nossa postagem prévia nós vimos que Zacarias, após Jeremias, previu que este Ramo seria chamado Jesus e que acumularia os papéis de Rei e Sacerdote – algo que jamais tinha acontecido na  História de Israel.

O enigma da chegada agendada do Ungido profetizado por Daniel

Mas o assunto não termina aqui. Daniel, que viver no período entre Jeremias e Zacarias, mencionou diretamente o título de ‘Ungido’ (que vimos aqui = ‘Cristo’ ou ‘Messias), ao mesmo tempo se referindo ao tema do Ramo em um enigma fascinante que previu quando o Messias seria revelado. Por volta de 538 A.C. ele escreveu o seguinte:

Saiba e entenda que, a partir da promulgação do decreto que manda restaurar e reconstruir Jerusalém até que o Ungido, o líder, venha, haverá sete semanas, e sessenta e duas semanas. Depois das sessenta e duas semanas, o Ungido será morto, e já não haverá lugar para ele.   (Daniel 9:25-26)

Pelo fato de o Ungido = Cristo = Messias (ver aqui), nós sabemos que Daniel estava escrevendo acerca da vinda de Cristo. Daniel especifica um período de início (“a partir da promulgação de um decreto para restaurar e reconstruir Jerusalém”) e um intervalo de período específico (“sete ‘setes’ e sessenta e duas semanas”) que culminará na revelação do Cristo (= O Ungido) que será, então, ‘cortado’. A estrutura geral desta predição parece bastante clara.  Mas nós podemos, na verdade, rastrear a revelação do Cristo? Vamos começar analisando o que iniciou o tique-taque deste relógio profético.

A Promulgação do decreto para restaurar e reconstruir Jerusalém

Aproximadamente 100 anos após Daniel, Neemias era copeiro de Artaxerxes, o imperador persa. Isso significa que ele era um homem com acesso ao mais elevado poder no império persa. Naquele contexto, ele solicita um decreto real para restaurar e reconstruir Jerusalém e é atendido. Eis aqui como ele relata ter feito tal pedido:

No mês de nisã do vigésimo ano do rei Artaxerxes… respondi ao rei: Se for do agrado do rei e se o seu servo puder contar com a sua benevolência, que ele me deixe ir à cidade onde meus pais estão enterrados, em Judá, para que eu possa reconstruí-la.

A seguir acrescentei: Se for do agrado do rei, eu poderia levar cartas do rei aos governadores… o rei atendeu os meus pedidos. Com isso fui aos governadores do Trans-Eufrates e lhes entreguei as cartas do rei. Acompanhou-me uma escolta de oficiais do exército e de cavaleiros que o rei enviou comigo. (Neemias 2:1-9)

Aqui vemos um decreto real, apoiado com documentos e com o exército do Império Persa para reconstruir Jerusalém. Em razão de o Imperador Artaxerxes ser conhecido na história secular, e pelo fato deste decreto especificar o início deste período em termos de reinado de Artaxerxes (vigésimo ano do reinado no mês de nisã), nós podemos determinar quando isto se deu. Artaxerxes assumiu o trono persa imediatamente após a morte de seu pai, Xerxes, em dezembro de 465 A.C. (1) e porque este decreto foi promulgado em nisã 1 (março/abril) do vigésimo ano, isto colocaria a promulgação do decreto em 5 de março de 444 A.C (1).

Sete ‘Setes’ e Sessenta e dois ‘Setes’

Mas o que são estes ‘setes’ que Daniel está utilizando para marcar o tempo? Na Lei de Moisés havia um ciclo de sete anos por meio da qual a terra deveria descansar do cultivo de agricultura a cada sete anos. Isto foi afirmado da seguinte maneira:

Quando vocês entrarem na terra que lhes dou, a própria terra guardará um sábado para o Senhor. Durante seis anos semeiem as suas lavouras, aparem as suas vinhas e façam a colheita de suas plantações. Mas no sétimo ano a terra terá um sábado de descanso, um sábado dedicado ao Senhor. (Levítico 25:2-4)

O contexto da declaração de Daniel é ‘anos’, portanto, por ‘sete’ ele quer dizer ciclos de sete anos. Neste caso, os Sete ‘Setes’ e Sessenta e dois ‘Setes’ podem ser afirmados numericamente como  (7+62) * 7 = 483 anos.

Um ano de 360 dias

O tamanho do ano complica levemente as coisas. Atualmente nós utilizamos o ano solar (=365.24219879 dias por ano) porque nós podemos medir com precisão a rotação da terra ao redor do sol. Naqueles dias era comum basear o ano a partir das rotações da lua (conforme o calendário islâmico faz até hoje) resultando em 354 dias/ano ou utilizando 12 meses de 30 dias totalizando 360 dias por ano. Em todos os casos alguns ajustes precisam ser feitos para ‘arrumar’ as diferenças nas rotações. (Em nosso calendário ocidental, com anos bissextos – 366 dias – para ajustar pelas frações do dia, com alguns anos bissextos sendo pulados). Nas civilizações antigas do Egito, Babilônia, índia e Grega um calendário de 360 dias era comum. Isto parece ser a base para estes anos em Daniel. Motivos adicionais para a utilização de um calendário de 360 dias são apresentados aqui.

A Chegada Agendada do Cristo

Munido desta informação agora é mais fácil calcular quando Cristo deveria chegar de acordo com a profecia de Daniel. 483 anos de 360 dias/ano nos dará:

483 anos * 360 dias/ano = 173. 880 dias

 Em nosso calendário moderno isso é o equivalente a 476 anos solares com 25 dias sobrando.  (173 880/365.24219879 = 476 com 25 como lembrete).

O ponto de partida para este cálculo foi o decreto de Artaxerxes promulgado no dia 5 de março de 444 A.C. Acrescente 476 anos solares  a esta data e chegaremos ao dia 5 de março do ano 33 A.D.  (Não existe ano zero, o calendário vai de 1A.C. a 1 A.D. em um ano, então, aritmeticamente é -444 + 476 +1= 33).

Se agora subtrairmos os 25 anos restantes e acrescentarmos a 5 de março do ano 33 A.D., chegamos a 30 de março de 33 A.D., ilustrado na linha do tempo abaixo. Ou, conforme Hoehner (cujo cálculo eu estou seguindo) afirma:

“Ao acrescentarmos 25 dias a 5 de março (444 A.C.) chegamos a 30 de março (33 A.D.), que era nisã 10. Este foi o dia da entrada triunfante de Jesus em Jerusalém…“ Hoehner, Chronological Aspects of the Life of Christ Part VI, pg. 16 1977.

A Linha do Tempo da profecia de Daniel de ‘setes’ culminando na entrada triunfante de Jesus
A Linha do Tempo da profecia de Daniel de ‘setes’ culminando na entrada triunfante de Jesus

A Entrada Triunfante de Jesus – Aquele Dia

Este é o  Domingo de Ramos, o exato dia que nos lembramos da entrada triunfante de Jesus em Jerusalém. Com as suposições que fizemos acima e utilizando matemática básica, descobrimos que o enigma de Daniel dos ‘setes’ cai exatamente neste dia. Este é o dia em que Jesus foi apresentado como Rei ou Cristo à nação judaica. Sabemos disto porque Zacarias (que havia profetizado o nome de Cristo) também escreveu que:

Alegre-se muito, cidade de Sião! Exulte, Jerusalém!

Eis que o seu rei vem a você, justo e vitorioso, humilde e montado num jumento, um jumentinho, cria de jumenta. (Zacarias 9:9)

 O tão aguardado Rei seria revelado entrando em Jerusalém montado sobre um jumento com uma multidão de pessoas gritando e se alegrando. No dia da Entrada Triunfante de Jesus em Jerusalém – aquele mesmo dia previsto por Daniel neste enigma dos ‘setes’ – Jesus entra em Jerusalém montando em um jumento. Lucas registra o acontecido:

Quando ele já estava perto da descida do monte das Oliveiras, toda a multidão dos discípulos começou a louvar a Deus alegremente e em alta voz, por todos os milagres que tinham visto. Exclamavam:

“Bendito é o rei que vem… Paz no céu e glória nas alturas!”

Quando se aproximou e viu a cidade, Jesus chorou sobre ela e disse: “Se você compreendesse neste dia, sim, você também, o que traz a paz! Mas agora isso está oculto aos seus olhos. (Lucas 19:37-42)

Neste relato Jesus chora porque as pessoas não o reconheceram naquele mesmo dia previsto tanto por Zacarias quanto por Daniel. Mas porque elas não reconheceram aquele dia em que Cristo foi revelado, algo totalmente inesperado aconteceria. Daniel, na mesma passagem onde ele apresentou o enigma dos ‘setes’, previu que:

Depois das sessenta e duas semanas, o Ungido será morto, e já não haverá lugar para ele.   (Daniel 9:26)

Em vez de assumir o trono para reinar, o Cristo seria ‘cortado’ e ‘nada’ teria. Ao empregar a expressão ‘cortado’ (algumas Bíblias traduzem como ‘morrerá’) Daniel se refere ao ‘Ramo’, que brota da raiz de Jessé, profetizado por Jeremias, t nome profetizado por Zacarias  e previsto tanto por Daniel quanto Zacarias. Este Ramo seria  ‘cortado’. Então a cidade (Jerusalém) seria destruída (que sucedeu em 70 A.D.). Mas como este Ramo seria ‘cortado’? Retornaremos a Isaías em nossa próxima postagem  para vermos uma vívida descrição.

 

1) A referência utilizada por todo o texto é Chronological Aspects of the Life of Christ, Part VI: Harold W. Hoehner

 

O Ramo: Nomeado centenas de anos antes de seu nascimento

Vimos como Isaías utilizou a imagem do Ramo. Um ‘ele’ da dinastia caída de Davi, detentor de sabedoria e pode estava por vir. Jeremias veio em seguida afirmando que este Ramo seria o Senhor (o nome do Antigo Testamento para o próprio Deus).

Zacarias continua O Ramo

Zacarias retornou após o exílio babilônico para reconstruir o Templo
Zacarias retornou após o exílio babilônico para reconstruir o Templo

O profeta Zacarias viveu em 520 A.C., logo após o povo judeu ter retornado a Jerusalém de seu primeiro exílio na Babilônia. Naquela época o povo judeu estava reconstruindo seu templo destruído. O sumo-sacerdote da época era um homem chamado Josué e ele estava reiniciando a obra dos sacerdotes. Zacarias, o profeta, estava fazendo uma parceria com o seu colega Josué, o sumo-sacerdote, ao conduzir o povo judeu. Eis aqui o que Deus – através de Zacarias – disse acerca deste Josué:

 “Ouçam bem, sumo sacerdote Josué e seus companheiros sentados diante de você, homens que prefiguram coisas que virão: Vou trazer o meu servo, o Ramo (…) e removerei o pecado desta terra num único dia”. (Zacarias 3:8-9)

O Ramo! Iniciado por Isaías 200 anos antes, continuado por Jeremias 60 anos antes, Zacarias prossegue com ‘O Ramo’. Aqui o Ramo também é chamado de ‘meu servo’. De certa maneira o sumo-sacerdote Josué em Jerusalém em 520 A.C., colega de Zacarias, era um símbolo deste ramo por vir. Mas como? O texto diz que em ‘um único dia’ os pecados serão removidos pelo Senhor. Como isto aconteceria?

O Ramo: Unindo Sacerdote e Rei

Zacarias explica mais tarde. Para entender nós precisamos saber que os papeis do Sacerdote e  Rei eram estritamente separados no Antigo Testamento. Nenhum dos reis davídicos poderiam ser sacerdotes, e os sacerdotes não poderiam ser reis. O papel do sacerdote era mediar entre Deus e o homem através da oferta de sacrifícios de animais a Deus para expiar os pecados, e o trabalho do Rei era governar com justiça a partir do trono. Ambos eram cruciais, ambos eram distintos. Contudo, Zacarias escreveu que no futuro:

E o Senhor me ordenou: “(…) Pegue a prata e o ouro, faça uma coroa, e coloque-a na cabeça do sumo sacerdote Josué, filho de Jeozadaque. Diga-lhe que assim diz o Senhor dos Exércitos: ‘Aqui está o homem cujo nome é Ramo, e ele sairá do seu lugar e construirá o templo do Senhor. Ele construirá o templo do Senhor, será revestido de majestade e se assentará em seu trono para governar. E ele será sacerdote no trono. E haverá harmonia entre os dois’”. (Zacarias 6:9-13)

Aqui, contra todas as regras previas, o sumo-sacerdote na época de Zacarias (Josué) deve colocar a coroa simbolicamente como o Ramo. Lembre-se de que Josué ‘prefigurava (era símbolo de) as coisas que virão’. Josué, o sumo-sacerdote, ao colocar a coroa real, previa um futuro unindo o Rei e Sacerdote em uma pessoa – um sacerdote no trono do Rei. Ademais, Zacarias escreveu que ‘Josué’ era o nome do Ramo. O que ele quis dizer?

O nome ‘Josué’ é o nome ‘Jesus’

Para entender precisamos rever a história da tradução do Antigo Testamento. O Antigo Testamento original, em hebraico, foi traduzido para o grego em 250 A.C., conhecido como a Septuaginta ou LXX (70). Ainda amplamente utilizada, nós vimos como ‘Cristo’ foi primeiramente utilizado na LXX e seguimos aquela analise para ‘Josué’.

'Josué' = 'Jesus'. Ambos vêm do nome hebraico 'Yhowshuwa'
‘Josué’ = ‘Jesus’. Ambos vêm do nome hebraico ‘Yhowshuwa’

Como pode ver na figura, Josué eh uma transliteração para o português do nome hebraico original Yhowshuwa’. O quadrante #1 mostra como Zacarias escreveu ‘Josué’ em 520 AEC em hebraico. O nome é transliterado ‘Josué’ em português (#1=> #3). Yhowshuwa’ em hebraico é o mesmo que Josué em português. Quando a Septuaginta foi traduzida do hebraico para o grego em 250 A.E.C. Yhowshuwa foi transliterado para Iesous (#1 => #2). ‘Yhowshuwa’ em hebraico é o mesmo que Iesous no grego. Quando o grego é traduzido para o português, Iesous é transliterado para ‘Jesus’ (#2 => #3).  Iesous no grego é o mesmo que Jesus no português.

Jesus era chamado Yhowshuwa em língua falada em hebraico, mas no Novo Testamento em grego seu nome era escrito ‘Iesous’ – idêntico a como a Septuaginta grega escrevia seu nome. Quando o Novo Testamento é traduzido do grego para o inglês (#2 => #3) ‘Iesous’ é transliterado ao familiar nome ‘Jesus’. Portanto, o nome ‘Jesus’ = ‘Josué’, com ‘Jesus’ vindo através de um passo intermediário em grego, e ‘Josué’ vindo diretamente do hebraico. Tanto Jesus de Nazaré quanto Josué, o sumo-sacerdote de 520 A.E.C. tinham o mesmo nome, sendo chamados ‘Yhowshuwa’ em sua língua nativa hebraica. Em grego, ambos eram chamados ‘Iesous’.

Jesus de Nazaré é o Ramo

Agora a profecia de Zacarias faz sentido. Esta é uma predição feita em 520 A.E.C. que o nome da Ramo por vir seria ‘Jesus’, apontando diretamente para Jesus de Nazaré.

Este Jesus por vir, de acordo com Zacarias, uniria os papeis de Rei e Sacerdote. O que os sacerdotes faziam? Em nome do povo eles ofereciam sacrifícios a Deus para expiar os pecados. O sacerdote cobria os pecados do povo pelo sacrifício. Semelhantemente, o Ramo vindouro ‘Jesus’ iria oferecer um sacrifício de maneira que o Senhor ‘removerá o pecado desta terra em um único dia’ – o dia que Jesus ofereceu a si mesmo como sacrifício.

Jesus de Nazaré é bem conhecido fora dos evangelhos. O Talmude judaico, Josefo e todos outros escritores históricos sobre Jesus, tanto amigos quanto inimigos, sempre se referiram a ele como Jesus’ ou ‘Cristo’, então seu nome não foi inventado nos evangelhos. Mas Zacarias predisse seu nome 500 anos antes dele ter vivido.

Jesus vem ‘do tronco de Jessé’ uma vez que tanto Jessé quanto Davi foram seus ancestrais. Jesus possuía sabedoria e entendimento em um nível que o coloca em separado dos demais. Sua perspicácia, postura e discernimento continuam a impressionar tanto críticos quanto seguidores. Seu poder através dos milagres nos evangelhos é inegável. Pode-se escolher não acreditar neles, mas não se pode ignora-los. Jesus se encaixa na qualidade de possuir sabedoria excepcional e poder que Isaías predisse que um diria viria deste Ramo.

Agora pense na vida de Jesus de Nazaré. Ele certamente reivindicou ser rei – o Rei, na verdade. Isto é o que ‘Cristo’ significa. Mas o que ele fez enquanto esteve na terra foi na verdade sacerdotal. A tarefa do sacerdote era oferecer sacrifícios aceitáveis em prol do povo judeu. A morte de Jesus foi importante no sentido que ela também foi uma oferta a Deus, em nosso lugar. Sua morte expia o pecado e a culpa de qualquer pessoa, não apenas do judeu. Os pecados da terra foram literalmente removidos ‘em um único dia’ conforme Zacarias havia predito – o dia que Jesus morrer e pagou por todos os pecados. Em sua morte ele cumpriu todas as exigências como Sacerdote, ainda que ele seja mais conhecido como ‘O Cristo’ ou o Rei. Ele realmente uniu os dois papéis. O Ramo, aquele que Davi ha muito tempo chamou de ‘Cristo’, é o Rei-Sacerdote. E seu nome foi previsto por Zacarias 500 anos antes de seu nascimento.

O Sinal do Ramo: O Velho Tronco Renasce

Jesus teve críticos que questionavam sua autoridade. Ele os responderia ao apontar para os profetas que vieram antes, alegando que eles previram sua vida. Eis aqui um exemplo onde Jesus disse a eles:

… E são as Escrituras que testemunham a meu respeito… (João 5:39)

Em outras palavras, Jesus reivindicava que profetizaram acerca dele no Antigo Testamento, que lhe precedeu por centenas de anos. Os profetas do Antigo Testamento reivindicavam que Deus havia inspirado seus escritos. Uma vez que homem algum pode prever com certeza centenas de anos no futuro, Jesus disse que esta uma prova a ser averiguada caso ele realmente tivesse vindo ou não como plano de Deus. É um teste para ver se Deus existe e se Ele fala. O Antigo Testamento está disponível para nós a fim que nós mesmos possamos examinar e refletir sobre esta mesma pergunta.

Primeiro vamos fazer uma revisão. A vinda de Jesus foi aludida bem no início do Antigo Testamento. Então vimos que o sacrifício de Abraão previu o local onde Jesus seria sacrificado ao passo que a Páscoa previu o dia no ano que ela ocorreria.  Vimos que o Salmo 2 foi onde o título ‘Cristo’ foi utilizado para prever o Rei que viria. Mas não termina aí. Muito mais foi escrito olhando para o futuro utilizando outros títulos e temas. Isaías (750 A.C.) começou um tema que livros posteriores do Antigo Testamento desenvolveram – o tema do Ramo por vir.

Isaías e o Ramo

A figura abaixo mostra Isaías em uma linha do tempo histórica com alguns dos escritores do Antigo Testamento.

Isaías mostrado em cronologia histórica. Ele viveu no período do governo dos reis davídicos
Isaías mostrado em cronologia histórica. Ele viveu no período do governo dos reis davídicos

Você verá a partir da linha do tempo histórica que o livro de Isaías foi escrito no período da dinastia real de Davi (1000 – 600 A.C.). Naquela época (cerca de 750 A.C.) a dinastia e o reino eram corruptos. Isaías rogou que os reis retornassem à Deus e à pratica e espirito da lei mosaica. Mas Isaías sabia que Israel não se arrependeria e então ele profetizou que a nação seria destruída e a dinastia real terminaria.

A imagem que Isaías utilizou da dinastia como uma árvore
A imagem que Isaías utilizou da dinastia como uma árvore

Ele utilizava uma metáfora, ou uma imagem, para a dinastia real, apresentando-a como uma grande árvore. Esta árvore tinha sua raiz Jessé, o pai de Davi. Sobre Jessé a dinastia foi iniciada com Davi, e a partir de seu sucessor, Salomão, a árvore continuou a crescer e a se desenvolver.

 

Primeiro uma árvore… depois um tronco… depois um ramo

Isaías escreveu que esta dinastia da ‘árvore’ em breve seria cortada, reduzindo-a a um tronco. Eis aqui como ele começou a imagem da árvore que então ele transformou em um enigma de um tronco e um ramo:

“Um ramo surgirá do tronco de Jessé, e das suas raízes brotará um ramo. O Espírito do Senhor repousará sobre ele, o Espírito que dá sabedoria e entendimento, o Espírito que traz conselho e poder, o Espírito que dá conhecimento e temor do Senhor”. (Isaías 11:1-2)

Dinastia vista como um tronco de Jessé – pai de Davi
Dinastia vista como um tronco de Jessé – pai de Davi

O corte desta ‘árvore’ se deu por volta de 150 anos após Isaías, cerca de 600 A.C., quando os Babilônios conquistaram Jerusalém e arrastaram seu povo e rei à Babilônia no exilio (o período em vermelho na linha do tempo acima). Jessé era o pai de Davi e era a raiz da dinastia de Davi. O tronco de Jessé era, portanto, uma metáfora à destruição futura da dinastia de Davi.

O Ramo: Um ‘ele’ que viria de Davi e que teria sabedoria

Ramo a partir do tronco morto de Jessé
Ramo a partir do tronco morto de Jessé

Mas esta profecia também olhava mais longe para o futuro do que apenas a destruição dos reis. Isaías predisse que embora o ‘tronco’ parecesse morto (como os troncos parecem), um dia em um futuro bem distante um futuro renovo, conhecido como o Ramo, nasceria daquele tronco, assim como ramos podem surgir de troncos. Este Ramo é mencionado como ‘ele’, então Isaías está falando sobre um homem especifico, vindo da descendência de Davi após a dinastia ter sido cortada. Este homem teria tais qualidades de sabedoria, poder e conhecimento e seria como se o Espirito de Deus estava repousando sobre ele.

Jesus… Um ‘ele’ de Davi que possuía sabedoria

Jesus se encaixa nas exigências do ‘tronco de Jessé’ que estava por vir uma vez que Jessé e Davi foram seus ancestrais. O que transforma Jesus em algum bastante incomum é a sabedoria e o entendimento que ele possuía. Sua sagacidade, equilíbrio e discernimento ao lidar com oponentes e discípulos continuam a impressionar tanto os críticos quanto os seguidores de Jesus desde aquela época. Seu poder nos evangelhos através dos milagres é inegável. Pode-se escolher não acreditar neles; mas não se pode ignora-los. Jesus se encaixa na qualidade de detentor de sabedoria excepcional e poder que Isaías previu que um dia viria deste Ramo.

Jeremias e o Ramo

É como uma placa de sinalização colocada por Isaías na história. Mas não termina aí. Sua placa de sinalização é apenas uma de varias outras placas. Jeremias, vivendo aproximadamente 150 após Isaías, quando a dinastia de Davi estava sendo destruída bem diante de seus próprios olhos, escreveu:

“Dias virão”, declara o Senhor, “em que levantarei para Davi    um Renovo justo, um rei que reinará com sabedoria e fará o que é justo e certo na terra. Em seus dias Judá será salva, Israel viverá em segurança, e este é o nome pelo qual será chamado: O Senhor é a Nossa Justiça. (Jeremias 23:5-6)

Jeremias expande o tema do Ramo da dinastia de Davi iniciado por Isaías 150 anos atrás. O Ramo será um Rei que reina. Mas isto é exatamente o que a profecia do  Salmo 2  falava sobre o Filho de Deus/Cristo/Messias que viria. Será que o Ramo e o Filho de Deus são a mesma pessoa?

O Ramo: O Senhor nossa Retidão

Mas como este Ramo será chamado? Ele seria chamado o ‘SENHOR’ que também será ‘nossa’ (isto é – nós humanos) Retidão. Como vimos com Abraão, o problema para os humanos é que somos ‘corruptos’, e então precisamos de ‘retidão’.  Aqui, ao descrever o Ramo, vemos uma alusão que as pessoas no futuro, no tempo de Jeremias, obteriam a exigência de ‘retidão’ pelo Senhor – o próprio YHWH (YHWH ou Javé é o nome de Deus no Antigo Testamento). Mas como isto seria feito? Zacarias acrescenta mais detalhes para nós enquanto ele desenvolve mais sobre o tema do Ramo Vindouro, predizendo até mesmo o nome de Jesus – que nós analisaremos a seguir.

 

De onde vem ‘Cristo’ em Jesus Cristo?

Eu por vezes pergunto às pessoas qual era o sobrenome de Jesus. Geralmente elas respondem: “Acho que o sobrenome dele era ‘Cristo’, mas não tenho certeza”. Então eu pergunto: “Se for assim, quando Jesus era um garotinho, o José Cristo e a Maria Cristo levavam o pequeno Jesus Cristo ao mercado?” Ouvindo desta forma, eles percebem que ‘Cristo’ não é o sobrenome de Jesus. Então, o que ‘Cristo’ significa? De onde vem este nome? Qual o significado do termo? É isto o que explorarei neste artigo.

Tradução vs. Transliteração

Primeiro precisamos saber algumas coisas básicas sobre tradução. Os tradutores às vezes escolhem traduzir pelo som semelhante no lugar do significado, em especial para nomes e títulos. Esta ação é conhecida por transliteração. Para a Bíblia, os tradutores precisaram escolher se suas palavras (em especial nomes e títulos) ficariam melhores na língua traduzida através da tradução (por significado) ou através da transliteração (pelo som). Não existe uma regra especifica.

A Septuaginta

A Bíblia foi primeiramente traduzida em 250 A.C. quando o Antigo Testamento hebraico foi traduzido para o grego. Esta tradução é a Septuaginta (ou LXX) e ela ainda é utilizada hoje em dia. Uma vez que o Novo Testamento foi escrito 300 anos mais tarde em grego, seus escritores citavam a Septuaginta grega em vez de o Antigo Testamento hebraico.

Tradução & Transliteração na Septuaginta

A figura abaixo mostra como isto afeta as Bíblias contemporâneas:

Isto mostra a tradução a partir do original para a Bíblia moderna dos dias de hoje
Isto mostra a tradução a partir do original para a Bíblia moderna dos dias de hoje

O Antigo Testamento foi escrito em hebraico – quadrante #1. As setas de  1 a #2 mostram sua tradução para o quadrante grego em 250 A.C. O Antigo Testamento estava agora em duas línguas – hebraico e grego. O Novo Testamento foi escrito em grego, então ele começou no quadrante #2.  Tanto o Antigo quanto o Novo Testamento estavam disponíveis em grego – a língua universal há 2000 anos.

Na parte abaixo (#3) temos uma língua moderna como o português. Geralmente, o Antigo Testamento é traduzido a partir do hebraico original (indo do #1 para o #3) e o Novo Testamento a partir do grego (#2 -> #3).

A origem de ‘Cristo’

Agora seguimos a mesma sequência, mas focando na palavra ‘Cristo’ que aparece nos Novos Testamentos em português.

De onde 'Cristo' vem na Bíblia
De onde ‘Cristo’ vem na Bíblia

A palavra hebraica no Antigo Testamento era ‘mashiyach’ que o dicionário hebraico define como uma pessoa ‘ungida ou consagrada’. Reis hebreus eram ungidos (cerimonialmente esfregados com óleo) antes que se tornassem reis, consequentemente, eles eram os ungidos ou mashiyach.  O Antigo Testamento também profetizou acerca de um mashiyach especifico. Para a Septuaginta, seus tradutores escolheram uma palavra em grego com um significado semelhante – Χριστός (cujo som se parece como Christos), que vinha de chrio, que significa esfregar cerimonialmente com óleo. Portanto, Christos foi traduzido por significado (e não transliterado por som) a partir do termo hebraico original ‘mashiyach’ na Septuaginta grega. Os escritores neotestamentários continuaram a utilizar a palavra Christos ‘ em seus escritos para identificar Jesus como o mashiyach.

Na Bíblia em português, o termo hebraico Mashiyach do Antigo Testamento é comumente traduzido como ‘o ungido’ e as vezes transliterado como o ‘Messias’. O termo Christos do Novo Testamento é transliterado como ‘Cristo’. A palavra ‘Cristo’ é muito especifica, derivada por tradução a partir do hebraico para o grego, e então transliteração do grego para o português.

Porque não vemos prontamente a palavra ‘Cristo’ no Antigo Testamento de hoje esta relação com o Antigo Testamento é difícil de ser vista. Mas a partir desta analise nós sabemos que na Bíblia o termo ‘Cristo’=’Messias’=’O Ungido’ e que este termo era um titulo específico.

O Cristo antecipado no primeiro século

Abaixo está a reação do Rei Herodes quando os sábios do Oriente vieram procurando pelo  ‘reis dos judeus’, uma parte bastante conhecida há história do natal. Observe, o artigo ‘o’ precede Cristo, ainda que ele não esteja se referindo especificamente à Jesus.

Quando o rei Herodes ouviu isto, ele ficou perturbado, e toda Jerusalém com ele. Quando ele convocou topos os lideres dos sacerdotes e professores da lei, ele lhes perguntou onde o Cristo haveria de nascer. (Mateus 2:3-4)

A ideia de ‘o Cristo’ era conhecimento comum entre Herodes e seus conselheiros religiosos – mesmo antes de Jesus ter nascido – e o termo é utilizado aqui sem se referir especificamente à Jesus. Isto porque ‘Cristo’ vem do Antigo Testamento grego, que era comumente lido por judeus do primeiro século. ‘Cristo’ era (e ainda é) um titulo, não um nome. O titulo estava em existência centenas de anos antes do cristianismo.

Profecias veterotestamentárias de ‘O Cristo’

Na verdade, ‘Cristo’ é um titulo profético já nos Salmos, escritos por Davi cerca de 1000 A.C. – bem antes do nascimento de Jesus.

Os reis da terra tomam posição (…) contra o Senhor e contra o seu ungido (…) o Senhor põe-se a rir e caçoa deles (…) dizendo: “Eu mesmo estabeleci o meu rei em Sião, no meu santo monte”. Proclamarei o decreto do Senhor: Ele me disse: “Tu és meu filho; eu hoje te gerei”. (Salmos 2:2-7)

O Salmo 2 na Septuaginta seria lido da seguinte maneira (estou colocando com o Cristo transliterado para que você possa ‘ver’ o titulo de Cristo como um leitor da Septuaginta podia)

Os reis da terra tomam posição (…) contra o Senhor e contra o seu Cristo (…) o Senhor põe-se a rir e caçoa deles …. (Salmos 2)

Você agora pode ‘ver’ Cristo nesta passagem como um leitor do primeiro século podia ver. Mas os Salmos continuam com mais referencias a este Cristo que estava por vir. Eu coloco a passagem lado a lado com um ‘Cristo’ transliterado para que você possa ver o título.

Salmos 132- Do hebraico Salmos 132 – Da Septuaginta
Senhor, (…)10 Por amor a teu servo Davi, não rejeites o teu ungido.11 O Senhor fez um juramento a Davi, um julgamento firme que ele não revogará: “Colocarei um de seus descendentes em teu trono — …17 “Ali farei renascer o poder de Davi e farei brilhar a luz do meu ungido ”. Senhor, (…)10 Por amor a teu servo Davi, não rejeites o teu Cristo.11 O Senhor fez um juramento a Davi, um julgamento firme que ele não revogará: “Colocarei um de seus descendentes em teu trono — …17 “Ali farei renascer o poder de Davi e farei brilhar a luz do meu Cristo ”.

O Salmo 132 fala no tempo verbal futuro (“… farei renascer o poder de Davi…”) como tantas muitas passagens por todo o Antigo Testamento. Não é que o Novo Testamento pega algumas ideias do Antigo Testamento e as ‘fazem’ se encaixar em Jesus. Os judeus sempre estiveram esperando pelo seu Messias (ou Cristo). O fato de que eles estão esperando ou buscando a vinda do Messias tem tudo a ver com as profecias que falam do futuro no Antigo Testamento.

As profecias do Antigo Testamento: Específicas como um sistema de uma fechadura

O fato de o Antigo Testamento especificamente predizer o futuro o transforma em literatura incomum. É como uma fechadura de uma porta. Uma fechadura tem um determinado modelo de forma que somente uma ‘chave’ especifica que combina com a fechadura pode abri-la. Da mesma maneira, o Antigo Testamento é como uma fechadura. Nós vimos isto nas postagens sobre o sacrifício de Abraão, o início de Adão, e a Páscoa de Moisés. O Salmo 132 acrescenta a exigência de que ‘o Cristo’ viria da descendência de Davi. Eis aqui uma pergunta que vale a pena ser feita: Jesus é a chave que destrava as profecias?

 

O discurso de despedida de Moisés: A história seguindo sua própria norma

As bênçãos e maldições de Moisés

Moisés viveu há cerca de 3500 anos e escreveu os primeiros cinco livros da Bíblia – conhecidos como Pentateuco ou Torá. Seu quinto livro, Deuteronômio, contem suas ultimas proclamações feitas entes de sua morte. Estas foram suas bênçãos ao povo de Israel – os judeus, mas também suas maldições. Moisés escreveu que estas bênçãos e maldições moldariam a história e seriam refletidas não apenas pelos judeus, mas por todas as demais nações. Então, isto foi escrito para você e para mim, para que pensamos sobre isto. As bênçãos e maldições completas estão aqui. Eu sintetizo abaixo os principais pontos.

As bênçãos de Moisés

Moisés começou descrevendo as bênçãos que os israelitas receberiam caso obedecessem a Lei. A lei fora dada nos primeiros livros e incluíam os Dez Mandamentos. As bênçãos vinham de Deus e seriam tamanhas que todas as demais nações reconheceriam Sua benção. O resultado destas bênçãos seria que:

Então todos os povos da terra verão que vocês pertencem ao Senhor e terão medo de vocês.  (Deuteronômio 28:10)

… e as maldições

Contudo, caso os israelitas fracassassem em obedecer aos Mandamentos, eles então receberiam maldições correspondentes às bênçãos. Estas maldições seriam vistas pelas nações circunvizinhas de maneira que:

Vocês serão motivo de horror e objeto de zombaria e de riso para todas as nações para onde o Senhor os levar. (Deuteronômio 28:37)

E as maldições se estenderiam por toda a história:

Essas maldições serão um sinal e um prodígio para vocês e para os seus descendentes para sempre. (Deuteronômio 28:46)

Mas Deus advertiu que a pior parte das maldições viria de outras nações:

O Senhor trará de um lugar longínquo, dos confins da terra, uma nação que virá contra vocês como a águia em mergulho, nação cujo idioma não compreenderão, nação de aparência feroz, sem respeito pelos idosos nem piedade para com os moços. Ela devorará as crias dos seus animais e as plantações da sua terra até que vocês sejam destruídos… Ela sitiará todas as cidades da sua terra, até que caiam os altos muros fortificados em que vocês confiam. Sitiará todas as suas cidades, em toda a terra que o Senhor, o seu Deus, lhes dá. (Deuteronômio 28:49-52)

Iria de mal a pior:

Vocês serão desarraigados da terra em que estão entrando para dela tomar posse. Então o Senhor os espalhará pelas nações, de um lado ao outro da terra.  No meio daquelas nações vocês não encontrarão repouso, nem mesmo um lugar de descanso para a sola dos pés. Lá o Senhor lhes dará coração desesperado, olhos exaustos de tanto esperar, e alma ansiosa. (Deuteronômio 28:63-65)

Estas bênçãos e maldições foram estabelecidas por uma aliança (um acordo) entre Deus e os israelitas:

… aliança que ele está fazendo com vocês hoje, selando-a sob juramento, para hoje confirmá-los como seu povo, para que ele seja o seu Deus, conforme lhes prometeu e jurou aos seus antepassados, Abraão, Isaque e Jacó. Não faço esta aliança, sob juramento, somente com vocês que estão aqui conosco na presença do Senhor, o nosso Deus, mas também com aqueles que não estão aqui hoje. (Deuteronômio 29:12-15)

Em outras palavras, esta aliança estaria atrelada aos filhos, ou gerações futuras. Na verdade, esta aliança estava direcionada às gerações futuras – tanto de israelitas quanto estrangeiros.

… as desgraças que terão caído sobre a terra e as doenças com que o Senhor a terá afligido. A terra inteira será um deserto abrasador de sal e enxofre, no qual nada que for plantado brotará, onde nenhuma vegetação crescerá. Todas as nações perguntarão: ‘Por que o Senhor fez isto a esta terra? Por que tanta ira e tanto furor?’ (Deuteronômio 29:22-24)

 E a resposta será:

Foi porque este povo abandonou a aliança do Senhor, o Deus dos seus antepassados, aliança feita com eles quando os tirou do Egito. Eles foram adorar outros deuses… Por isso a ira do Senhor acendeu-se contra esta terra, e ele trouxe sobre ela todas as maldições escritas neste livro. (Deuteronômio 29:25-27)

As bênçãos e maldições aconteceram?

Nada neutro acerca delas. As bênçãos eram agradáveis, mas as maldições eram completamente severas. Contudo, a pergunta mais importante que podemos fazer é: ‘Elas aconteceram?’ A resposta não é difícil de encontrar. Muito do Antigo Testamento é o registro dos israelitas e a partir do que podemos ver o que acontece em sua história.  Também temos registros fora do Antigo Testamento, de historiadores judeus como Josefo, historiadores greco-romanos como Tácito e encontramos muitos monumentos arqueológicos.  Todas estas fontes concordam e pintam um retrato consistente da história israelita ou judaica. Um resumo desta história, dado através da construção e uma linha do tempo, é disponibilizado aqui. Leia e verifique você mesmo se as bênçãos e maldições aconteceram.

A conclusão das bênçãos e maldições de Moisés

Mas este discurso de despedida de Moisés não terminou com as maldições. Ele continuou. Aqui vemos como Moisés fez seu pronunciamento final:

Quando todas essas bênçãos e maldições que coloquei diante de vocês lhes sobrevierem, e elas os atingirem onde quer que o Senhor, o seu Deus, os dispersar entre as nações, e quando vocês e os seus filhos voltarem para o Senhor, o seu Deus, e lhe obedecerem de todo o coração e de toda a alma, de acordo com tudo o que hoje lhes ordeno, então o Senhor, o seu Deus, lhes trará restauração, terá compaixão de vocês e os reunirá novamente de todas as nações por onde os tiver espalhado. Mesmo que tenham sido levados para a terra mais distante debaixo do céu, de lá o Senhor, o seu Deus, os reunirá e os trará de volta. Ele os trará para a terra dos seus antepassados, e vocês tomarão posse dela. Ele fará com que vocês sejam mais prósperos e mais numerosos do que os seus antepassados. (Deuteronômio 30:1-5)

Após Moisés, sucessivos escritores no Antigo Testamento continuaram com esta promessa de que ele havia primeiramente começou – de que haveria uma restauração após as maldições. Ezequiel fez uso da imagem de zumbis mortos retornado à vida para pintar um retrato vivido disto para nós. Estes escritores posteriores fizeram predições ousadas, perturbadoras e detalhadas. Juntos eles fazem um incrível conjunto de predições que estão acontecendo hoje.

 

Qual é a história do povo judeu?

Os judeus são uns dos povos mais antigos do mundo. Sua história está registrada na Bíblia, por historiadores fora da Bíblia e através da arqueologia. Temos mais fatos acerca de sua história do que qualquer outra nação. Nós utilizaremos esta informação para sintetizar sua história. A fim de tornarmos a história dos israelitas (uma palavra veterotestamentária para o povo judeu) mais fácil de ser acompanhada, utilizaremos uma linha do tempo.

Abraão: O início da árvore genealógica judaica

A linha do tempo começa com Abraão. Ele recebeu uma promessa de nações  se originando dele e teve encontros com Deus  culminando no  sacrifício simbólico de seu filho Isaque.  O sacrifício foi um sinal apontando para Jesus ao marcar o futuro local onde Jesus seria sacrificado. A linha do tempo em verde continua quando os descendentes de Isaque foram escravos no Egito. Este período de tempo começou quando José, neto de Isaque, conduziu os israelitas ao Egito, onde posteriormente eles se tornariam escravos.

Vivendo no Egito como escravos de Faraó
Vivendo no Egito como escravos de Faraó

Moisés: Os israelitas se tornam uma nação sob Deus

Moisés liderou os israelitas para fora do Egito pela  Praga da Pascoa, que destruiu o Egito e permitiu o êxodo israelita do Egito para a terra de Israel. Antes de ele morrer, Moisés anunciou  Bênçãos e Maldições sobre os israelitas (quando a linha do tempo vai de verde para amarelo). Eles seriam abençoados se obedecessem a Deus, mas experimentariam maldições caso não obedecessem. Estas bênçãos e maldições seguiriam o povo judeu muito tempo depois.

Por várias centenas de anos os israelitas viveram em sua terra, mas eles não tinham um rei, nem tinham a cidade capital de Jerusalém –  ela pertencia a outro povo nesta época. Contudo, com o rei Davi por volta de 1000 (A.C.) isto mudou.

Vivendo com os reis davídicos governando a partir de Jerusalém
Vivendo com os reis davídicos governando a partir de Jerusalém

Davi estabelece a dinastia real em Jerusalém

Davi conquistou Jerusalém e a transformou em sua capital. Ele recebeu a promessa de um ‘Cristo’ que viria  e daquele tempo em diante o povo judeu passou a esperar o ‘Cristo’ que viria.  Seu filho Salomão lhe sucedeu e Salomão construiu o Primeiro Templo Judeu em Jerusalém. Os descendentes do rei Davi continuaram a governar por cerca de 400 anos e este período é mostrado na cor azul-agua (1000 – 600 A.C.). Este foi o período da gloria de Israel – eles alcançaram as bênçãos prometidas.  Eles eram uma nação poderosa, tiveram uma sociedade e cultura avançada e o seu templo. Mas o Antigo Testamento também descreve sua crescente corrupção e adoração a ídolos durante esta fase. Muitos profetas neste período advertiram os israelitas que as maldições de Moisés viriam sobre eles caso eles não mudassem. Mas estas advertências foram ignoradas.

O primeiro exílio para a Babilônia

Finalmente, por volta de 600 (A.C.) as maldições vieram sobre eles. Nabucodonosor, um poderoso rei babilônio veio – assim como Moisés havia predito 900 anos antes quando ele escreveu esta maldição:

O Senhor trará, de um lugar longínquo, dos confins da terra, uma nação que virá contra vocês… nação de aparência feroz, sem respeito pelos idosos nem piedade para com os moços… Ela sitiará todas as cidades da sua terra (Deuteronômio 28:49-52)

Nabucodonosor conquistou Jerusalém, a queimou e destruiu o Templo que Salomão havia construído. Ele então exilou os israelitas para a Babilônia. Somente os israelitas pobres ficaram para trás.   Isso cumpriu as predições de Moisés de que

Vocês serão desarraigados da terra em que estão entrando para dela tomar posse. Então o Senhor os espalhará pelas nações, de um lado ao outro da terra. (Deuteronômio 28:63-64)

Conquistados e exilados para a Babilônia
Conquistados e exilados para a Babilônia

Então, por 70 anos, o período mostrado em vermelho, os israelitas viveram como exilados fora da terra prometida a Abraão e seus descendentes.

Retorno do exílio sob os persas

Apos isto, o imperador persa Ciro conquistou a Babilônia e tornou-se a pessoa mais poderosa do mundo. Ele então permitiu que os israelitas retornassem a sua terra.

Vivendo na Terra como parte do Império Persa
Vivendo na Terra como parte do Império Persa

Contudo, eles já não eram mais um pais independente, eles agora eram uma província no Império Persa. Isto continuou por 200 anos e esta em rosa na linha do tempo. Durante este tempo o Tempo Judeu (conhecido como o Segundo Templo) e a cidade de Jerusalém foram reconstruídos.

O período dos gregos

Então Alexandre, o Grande, conquistou o Império Persa e transformou os israelitas em uma província nos impérios gregos por mais 200 anos.  Esta fase está em azul escuro.

Vivendo na Terra como parte dos Impérios Gregos
Vivendo na Terra como parte dos Impérios Gregos

O período dos romanos

Então os romanos derrotaram os impérios gregos e se tornaram a potência mundial dominante. Os israelitas novamente se tornaram uma província neste império e isto se vê no amarelo claro. Este é o período em que Jesus viveu. Isto explica porque existem soldados romanos nos evangelhos – porque os romanos dominavam os judeus na Terra de Israel durante a vida de Jesus.

Vivendo na Terra como parte do Império Romano
Vivendo na Terra como parte do Império Romano

O segundo exílio judaico sob os romanos

A partir do tempo dos babilônios (600 A.C.) os israelitas (ou judeus, como eles eram chamados agora) não tinham usufruído de independência conforme tinham sob o rei Davi). Eles eram agora governados por outros impérios. Os judeus ressentiram tal fato e se revoltaram contra o governo romano. Os romanos vieram e destruíram Jerusalém (70 A.C.), destruíram o Segundo Templo, e deportaram os judeus como escravos por todo o Império Romano. Este foi o segundo exílio judaico. Uma vez que Roma era muito grande os judeus foram espalhados por todo o mundo.

Jerusalém e o Templo destruídos em 70 A.C. Judeus espalhados como exilados por todo mundo
Jerusalém e o Templo destruídos em 70 A.C. Judeus espalhados como exilados por todo mundo

 

E foi assim que o povo judeu viveu por quase 2000 anos: dispersos em terras estrangeiras e jamais aceitos nestas terras. Nestas diferentes nações eles comumente sofreram grandes perseguições. Desde a Espanha, na Europa Ocidental, a Rússia, os judeus viveram frequentemente em situações perigosas nestes reinos cristãos. As maldições de Moisés cerca de 1500 A.C. foram descrições acuradas de como Israel viveu.

No meio daquelas nações vocês não encontrarão repouso, nem mesmo um lugar de descanso para a sola dos pés. Lá o Senhor lhes dará coração desesperado, olhos exaustos de tanto esperar, e alma ansiosa. (Deuteronômio 28:65)

As maldições contra os israelitas foram dadas para fazer os povos se perguntarem:

Todas as nações perguntarão: ‘Por que o Senhor fez isto a esta terra? Por que tanta ira e tanto furor?’ (Deuteronômio 29:24)

E a resposta era:

Cheio de ira, indignação e grande furor, o Senhor os desarraigou da sua terra e os lançou numa outra terra, como hoje se vê’. (Deuteronômio 29:28)

A linha do tempo abaixo mostra este período de 1900 anos. Este período é mostrado na longa barra vermelha.

Linha do Tempo histórica dos judeus – apresentando seus dois períodos de exílio
Linha do Tempo histórica dos judeus – apresentando seus dois períodos de exílio

Você pode ver que em sua história o povo judeu experimentou dois períodos de exílio, mas o segundo exílio foi muito maior que o primeiro.

O Holocausto do século 20

Então as perseguições contra os judeus alcançaram seu pico quando Hitler, através da Alemanha nazista, tentou exterminar todos os judeus vivendo na Europa. Ele quase foi bem-sucedido, mas foi derrotado e um remanescente de judeus sobreviveu.

Renascimento moderno de Israel

O simples fato de que havia pessoas que se identificavam como ‘judeus’ após muitas centenas de anos sem uma terra é incrível.  Mas isto permitiu que as ultimas palavras de Moisés, escritas há 3500 anos, se cumprissem. Em 1948 os judeus, através das Nações Unidas, viram o impressionante renascimento do estado de Israel, conforme Moisés havia escrito séculos atrás:

…então o Senhor, o seu Deus, lhes trará restauração, terá compaixão de vocês e os reunirá novamente de todas as nações por onde os tiver espalhado. Mesmo que tenham sido levados para a terra mais distante debaixo do céu, de lá o Senhor, o seu Deus, os reunirá e os trará de volta. (Deuteronômio 30:3-4)

Também foi impressionante uma vez que este estado foi construído apesar de grande oposição. A maioria das nações circunvizinhas fez guerra contra em Israel em 1948… em 1956… em 1967 e novamente em 1973. Israel, uma nação muito pequena, geralmente estava em guerra com cinco nações ao mesmo tempo. Contudo, não apenas Israel sobreviveu como também seu território aumentou. Na guerra de 1967 os judeus reganharam Jerusalém, sua capital histórica que Davi fundou 3000 anos atrás. O resultado da criação do estado de Israel, e as consequências destas guerras criaram os problemas políticos mais difíceis de nosso tempo.

 

O Sinal da Páscoa

Nós já consideramos que quando Deus provou Abraão e lhe pediu para oferecer o seu filho Isaque, aludiu ao sacrifício de Jesus, apontando o lugar onde Jesus ia morrer. Agora, vamos localizar-nos em cerca de 500 anos depois de Abraão e cerca de 1500 anos antes de Cristo. Depois de Abraão morrer, os descendentes do seu filho Isaque, agora Israelitas, tinham começado a ser uma grande população. Também, eles tinham ficado escravizados no Egito. Isso aconteceu porque José, o bisneto de Abraão, foi vendido como escravo para o Egito e depois a família dele seguiu-o.

O Enredo do Êxodo

Assim, aproximamo-nos dum enredo interessantíssimo que foi recordado por Moisés no livro Êxodo (foi chamado assim porque conta a história como Moisés conduziu os Israelitas para fora do Egito). Moisés foi enviado por Deus para confrontar o Faraó do Egito e isso resultou numa luta entre as duas vontades a de Moisés e a do Faraó, tendo resultado em nove pragas contra o Faraó até aquele tempo. Porém o Faraó ainda não concordava em permitir que os Israelitas se fossem embora e por isso Deus ordenara a décima praga devastadora. Toda a história sobre a décima praga está aqui e seria bom lê-la porque vai ajudar a entender a explicação seguinte.

A décima praga que foi ordenada por Deus, foi que todos os primogênitos morreriam naquela noite excepto aqueles que ficassem em casas onde um cordeiro tivesse sido sacrificado e o seu sangue tivesse sido esfregado nas duas ombreiras e na verga da porta. A perca de Faraó, no caso de não obedecer, seria o seu filho e herdeiro que morreria. Também, cada casa no Egito perderia o primogênito caso os seus habitantes não sacrificassem um cordeiro aplicando o sangue do cordeiro a volta da porta. Portanto o povo do Egito estava a enfrentar uma crise nacional.

Contudo, nas casas onde um cordeiro tivesse sido sacrificado e o sangue dele tivesse sido aplicado nas ombreiras a promessa era que tudo ia correr bem. A morte ia passar por cima daquelas casas. Segundo a Sociedade Bíblica do Brasil, a palavra “Páscoa” (em Hebraico, pesah) é associada com o verbo pasah, que significa “saltar” ou “passar por cima”. Portanto, este dia foi chamado “Páscoa” ou “A Passagem”.

 O Sinal da Páscoa – para quem?

Muitas pessoas que conhecem esta narrativa julgam que o sangue a volta da porta era o sinal para o Anjo da Morte, mas é de notar este detalhe interessante.

 Disse o Senhor a Moisés… ‘Eu sou o SENHOR. O sangue [do cordeiro] vos será por sinal nas casas em que estiverdes; quando eu vir o sangue, passarei por vós , e não haverá entre vós praga destruidora, quando eu ferir a terra do Egito.’ (Êxodo 12:13)

Apesar do SENHOR procurar o sangue à volta da porta, e ao ver isso, passasse por cima, o sangue não era um sinal para Ele. Ele diz claramente que, ‘o sangue vos será por sinal’. O sangue era um sinal para o povo. Também é um sinal para todos nós que lemos esta narrativa. Como? Depois deste acontecimento o Senhor ordenou-lhes:

Este dia vos será por memorial, e o celebrareis como solenidade ao SENHOR; nas vossas gerações o celebrareis por estatuto perpétuo. (Êxodo 12:14)

 O Notável Calendário da Páscoa

Nós vemos no princípio desta narrativa que este evento inaugurou o antigo calendário Judaico.

 Disse o SENHOR a Moisés e a Arão na terra do Egito: Este mês será o principal dos meses; será o primeiro mês do ano. (Êxodo 12:1-2)

Assim os Israelitas foram mandados começar um calendário que ia celebrar a Páscoa no mesmo dia em cada ano. O calendário Judaico é diferente do calendário ocidental; a data da Páscoa muda cada ano no calendário ocidental.

preparing for passover
Esta é uma cena moderna em que pessoas Judaicas estão a preparar-se para celebrar a Páscoa em memória da primeira Páscoa há 3500 anos.

Ainda hoje, 3500 anos depois, o povo Judeu continua a celebrar esta festa santa todos os anos, no mesmo dia no seu calendário, em memória do evento do Egito e por causa do mandamento que lhes foi dado naquela época.

Seguindo esta festa através da história podemos ver alguma coisa extraordinária. Pode-se notar isso no Evangelho onde estão registados os detalhes sobre a detenção e o julgamento de Jesus:

 Depois, levaram Jesus… para o pretório [a casa de Pilatos o governo Romano]… Eles não entraram no pretório para não se contaminarem, mas poderem comer a Páscoa…. [Pilatos disse para os líderes Judeus:] É costume entre vós que eu vos solte alguém por ocasião da Páscoa; quereis, pois, que vos solte o rei dos judeus? …Então, gritaram todos, novamente: Não este… (João 18:28, 39-40)

A ligação entre a crucificação de Jesus e esta antiga festa Judaica está corroborada por escritos rabínicos no Talmude. Estes eram testemunhos hostis que não tinham motivos para concordar com os Evangelhos. No entanto, os escritos deles afirmam que:

 Jesus foi pendurado na véspera de Páscoa… (Sanhedrin 43a do Talmude Babilónico; citado em ‘Jesus and Christian Origins Outside the New Testament’. De FF Bruce. p56. 1974. pp215)

Portanto, Jesus foi preso e executado no dia da festa antiga dos Judeus a Páscoa. Mesmo na Páscoa, no dia quando os cordeiros são mortos em memória dos cordeiros que salvaram os primogénitos 1500 anos antes de Cristo! Então, lembra-se do Sinal do Sacrifício de Abraão, um dos títulos de Jesus era:

 No dia seguinte, viu João a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo! (João 1:29)

Aqui nós vimos o enredo deste sinal. Jesus, o ‘Cordeiro de Deus’, foi crucificado (sacrificado) no mesmo dia quando todos os Judeus que viviam naquela época estavam também a sacrificar um cordeiro em memória da primeira Páscoa (A Passagem) no Egito que tinha iniciado o seu calendário. Isso explica porque há dois feriados que acontecem juntos todos os anos, uma ligação que poucos de nós notamos e mesmo poucos de nós questionamos. A Páscoa Cristã, que marca a morte de Jesus, acontece em cada ano quando a Festa Judaica da Páscoa acontece. Verifique no seu calendário. (Ambos os eventos acontecem na mesma semana mas nem sempre no mesmo dia porque Sexta-feira Santa foi marcada na sexta-feira desta semana, enquanto a Festa Judaica da Páscoa é sempre no dia 14 de Nissan. Portanto as festas podem ser separadas por vários dias.) Por isso a Páscoa Cristã muda todos os anos, porque a Páscoa Cristã acontece na Festa Judaica da Páscoa e esta Festa é marcada com o calendário Judaico que calcula o ano duma maneira diferente do calendário Gregoriano.

 Sinais, sinais, há sinais por todo o lado

Voltemos para a primeira Festa da Páscoa (A Passagem) no dia de Moisés quando o sangue era um sinal não para Deus mas para o povo. Pense um bocadinho sobre o que os sinais em geral fazem olhando para os sinais abaixo.

What are signs
Os sinais dirigem as nossas mentes para uma coisa particular.

Quando nós vimos uma caveira e ossos cruzados pensamos sobre morte e perigo. O ‘M amarelo’ fazem-nos pensar sobre o McDonald’s. O sinal na fita do jogador de ténis Nadal é o sinal de Nike. A Nike queria fazer-nos pensar sobre a empresa e os seus produtos quando nós vimos o marca. Por outras palavras, os sinais são símbolos para indicar alguma coisa à nossa mente além do sinal.

Então, a narrativa em Êxodo diz explicitamente que o sinal era para o povo, não para Deus, mas o sinal foi estabelecido por Deus. Ele foi o autor do sinal. Como todos os sinais, este sinal deve fazer-nos lembrar sobre alguma coisa. Deus queria lembrar-nos do quê?   Como os cordeiros foram mortos no mesmo dia da morte de Jesus e um dos nomes de Jesus era ‘o Cordeiro de Deus’, o sinal da narrativa deve ter estado a indicar o sacrifício de Jesus no futuro. Este sinal funciona na nossa mente tal como é mostrado no gráfico abaixo em relação a mim.

thinking of the passover sign
A Festa Judaica da Páscoa (ou a Passagem) e um sinal porque aponta para Jesus por causa do ‘timing’ especial que aconteceu com a Festa Judaica da Páscoa e com o crucificação de Jesus.

O sinal estava lá para me indicar a morte de Jesus. Na primeira Páscoa Judaica os cordeiros foram sacrificados e o seu sangue foi esfregado nas portas para que as pessoas pudessem viver. Portanto, este Sinal indicando Jesus conta-me que Ele, o Cordeiro de Deus, foi também oferecido e o seu sangue foi também derramado para que eu possa encontrar a vida.

Nós vimos no Sinal de Abraão que o lugar onde o carneiro morreu em vez de Isaque era o Monte Moriá, o mesmo lugar onde Jesus foi sacrificado muito mais tarde. O sinal na narrativa sobre Abraão e Isaque indicava o lugar onde Jesus ia morrer. A Festa Judaica da Páscoa indicava a morte de Jesus, e designava no calendário o dia exato da morte de Jesus! Nas duas narrativas um cordeiro foi sacrificado, mostrando que não foi só uma coincidência usada para indicar a morte de Jesus. A localização e o ‘timing’ da morte de Jesus foram previstos por dois dos acontecimentos mais importantes no Antigo Testamento. Eu não consigo pensar numa outra pessoa em toda a história que tivesse uma morte tão prevista duma maneira tão dramática. E você?

Olhando para estas duas narrativas juntas, os dois sinais devem mostrar-nos que há motivos razoáveis para considerar Jesus como a principal pedra angular num plano Divino, revelado muitos anos antes de Cristo quando os escravos dando início ao seu novo calendário, esfregando o sangue dum cordeiro a volta das suas portas.

Então, porque é que Deus colocou estes sinais para antever e prever a crucificação de Jesus? Porque é que este evento é tão importante? Porque é que aconteceram todas estas eventos sangrentos? Qual é a relevância destas coisas para mim? Para buscar as respostas para estas perguntas precisamos de começar no princípio da Bíblia para entender o que acontecia desde o princípio do tempo. Começaremos esta viagem até ao princípio no nosso artigo seguinte.