Abraão: Como Deus Proverá

Abraão viveu 4000 anos atrás, viajando para o que hoje chamamos de Israel. Deus lhe prometeu um filho que se tornaria uma ‘grande nação’, mas ele precisou esperar até que estivesse idoso para ver seu filho nascer. Judeus e árabes descendem de Abraão, então sabemos que a promessa se cumpriu e que ele é uma pessoa importante na historia como o pai de grandes nações.

Abraão agora estava muito feliz de ver seu filho crescer em se tornar um homem. Mas então Deus testou Abraão de uma maneira incrível. Deus disse:

Então disse Deus: “Tome seu filho, seu único filho, Isaque, a quem você ama, e vá para a região de Moriá. Sacrifique-o ali como holocausto num dos montes que lhe indicarei”. (Gênesis 22:2)

Isto é difícil de entender!  Por que Deus pediria a Abraão para fazer isso? Mas Abraão, que havia aprendido a confiar em Deus – mesmo quando ele não entendia

Na manhã seguinte, Abraão levantou-se… Levou consigo dois de seus servos e Isaque, seu filho. Depois de cortar lenha para o holocausto, partiu em direção ao lugar que Deus lhe havia indicado. (Gênesis 22:3)

Após três dias de viagem eles chegaram até a montanha. Então

Quando chegaram ao lugar que Deus lhe havia indicado, Abraão construiu um altar e sobre ele arrumou a lenha. Amarrou seu filho Isaque e o colocou sobre o altar, em cima da lenha.  Então estendeu a mão e pegou a faca para sacrificar seu filho.  (Gênesis 22: 9-10)

Abraão estava pronto para obedecer a Deus.  Naquele exato momento algo extraordinário aconteceu

Mas o Anjo do Senhor o chamou do céu: “Abraão! Abraão!”

“Eis-me aqui”, respondeu ele.

“Não toque no rapaz”, disse o Anjo. “Não lhe faça nada. Agora sei que você teme a Deus, porque não me negou seu filho, o seu único filho.”

13 Abraão ergueu os olhos e viu um carneiro preso pelos chifres num arbusto. Foi lá pegá-lo, e o sacrificou como holocausto em lugar de seu filho. (Gênesis 22:11-13)

No último momento Isaque foi salvo da morte e Abraão viu um carneiro e o sacrificou no lugar do filho. Deus havia provido um carneiro e o carneiro assumiu o lugar de Isaque.

Aqui eu gostaria de fazer uma pergunta. Neste momento da história o carneiro está vivo ou morto?

Por que faço a pergunta? Porque Abraão irá agora dar um nome àquele lugar, mas a maioria das pessoas perde sua importância. A história continua…

Abraão deu àquele lugar o nome de “O Senhor proverá“. Por isso até hoje se diz: “No monte do Senhor se proverá”. (Gênesis 22:14)

Outra pergunta: O nome que Abraão deu ao local (“O Senhor proverá”) está no tempo passado, presente ou futuro?

Olhando para o futuro, não para o passado

O tempo verbal claramente é futuro. Muitas pessoas pensam que Abraão, ao dar nome àquele lugar, estava pensando no carneiro preso nos arbustos e que fora providenciado por Deus e então sacrificado em lugar se seu filho Isaque. Mas quando Abraão deu o nome o carneiro já estava morto e sacrificado. Se Abraão estivesse pensando naquele carneiro – já morto e sacrificado – ele teria chamado o local de ‘O Senhor proveu’ – no tempo verbal passado. E o momento final o texto diria: “Por isso até hoje se diz: ‘No monte do Senhor se proveu’”. Mas o nome olha para o futuro, não para o passado. Abraão não esta pensando no carneiro morto. Ele está dando o nome pensando em outra coisa – no futuro. Mas o que?

Onde fica aquele lugar?

Lembre-se de onde este sacrifício aconteceu, contado no inicio da história:

(“Pegue Isaque… Leve-o até a terra de Moriá”)

Isto aconteceu no ‘Moriá’. Onde fica isto? Era um deserto na época de Abraão (2000 AC), com apenas alguns arbustos, um carneiro e Abraão e Isaque naquela montanha. Mas mil anos depois (1000 AC) o Rei Davi construiu a cidade de Jerusalém ali, e seu filho Salomão construiu o Primeiro Templo Judaico ali. Nós lemos posteriormente no Antigo Testamento que:

Então Salomão começou a construir o templo do Senhor em Jerusalém, no monte Moriá… (2 Crônicas 3:1)

O monte Moriá se tornou Jerusalém, a cidade judaica com o Templo judaico. Hoje é um lugar sagrado para o povo judaico, e Jerusalém é a capital de Israel.

O Sacrifício de Abraão e Jesus

Vamos pensar um pouco acerca dos títulos de Jesus. O titulo mais bem conhecido de Jesus é ‘Cristo’. Mas ele teve outros títulos, tais como

No dia seguinte João viu Jesus aproximando-se e disse: “Vejam! É o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo! (João 1:29)

Jesus também foi chamado ‘O Cordeiro de Deus’. Pense acerca do final da vida de Jesus. Quando ele foi preso e crucificado? Foi em Jerusalém (que eh o mesmo lugar que o ‘monte Moriá‘). Ficou bem claramente estabelecido que:

Quando ficou sabendo que ele era da jurisdição de Herodes, enviou-o a Herodes, que também estava em Jerusalém naqueles dias. (Lucas 23:7)

A prisão, julgamento e morte de Jesus foram em Jerusalém (= monte Moriá). A sequência dos acontecimentos mostra que eles aconteceram no monte Moriá.

Principais acontecimentos no monte Moriá
Principais acontecimentos no monte Moriá

Voltemos a Abraão. Por que ele deu o nome àquele lugar no tempo verbal futuro ‘O SENHOR proverá’? Isaque fora salvo no último momento quando um cordeiro foi sacrificado em seu lugar. Dois mil anos mais tarde, Jesus é chamado ‘Cordeiro de Deus’ e ele é sacrificado no mesmo local – para que eu e você também possamos viver.

Um Plano Divino

É como se uma Mente associasse estes acontecimentos que estão separados por 200 anos de história. O que torna a relação singular é que o primeiro acontecimento aponta para o último acontecimento pelo nome no tempo verbal futuro. Mas como Abraão poderia saber o que aconteceria no futuro? Nenhum ser humano sabe o futuro, em especial um futuro tão distante. Somente Deus pode conhecer o futuro. Prever o futuro e fazer com que estes acontecimentos sejam realizados no mesmo lugar é evidencia de que este não é um plano humano, mas um plano de Deus. Ele quer que pensemos acerca disso da maneira abaixo

O sacrifício de Abraão no monte Moriá é um sinal que aponta para o sacrifício de Jesus
O sacrifício de Abraão no monte Moriá é um sinal que aponta para o sacrifício de Jesus

Boas Novas para todas as nações

Esta história tem uma promessa para você. No final desta história Deus promete a Abraão que:

“e, por meio dela, todos povos da terra serão abençoados, porque você me obedeceu”. (Gênesis 22:18)

Se você pertence a uma das ‘nações da terra’, então esta é uma promessa para você, uma promessa de ‘benção’ de Deus.

Então, o que é esta ‘benção’?  Como você alcança esta promessa? Pense na história. Assim como o carneiro salvou Isaque da morte, da mesma maneira Jesus, o Cordeiro de Deus, por seu sacrifício no mesmo lugar, nos salva do poder da morte. Se isto for verdadeiro, certamente isto é boas notícias.

O sacrifício de Abraão no Monte Moriá é um acontecimento importante na história primitiva. Ele é lembrado e comemorado hoje por milhões de pessoas ao redor do mundo. Mas esta também é uma história para você vivendo 4000 anos mais tarde.

 

Obtendo a Retidão – O exemplo de Abraão

Previamente nós vimos que Abraão obteve a retidão simplesmente ao acreditar. Isto foi afirmado na curta frase:

Abrão creu no Senhor, e isso lhe foi creditado como justiça.  (Gênesis 15:6)

Crença não tem a ver com a existência de Deus

Pense no que ‘acreditar’ significa. Muitas pessoas pensam que ‘acreditar’ significa acreditar que Deus existe. Pensamos que Deus quer que acreditemos que Ele está ali. Mas a Bíblia afirma de maneira diferente. Ela diz:

Você crê que existe um só Deus? Muito bem! Até mesmo os demônios crêem — e tremem! (Tiago 2:19)

Aqui a Bíblia está empregando sarcasmo para dizer que simplesmente acreditar que Deus existe nos torna toa bons quanto o Diabo. É verdade que Abraão acreditou na existência de Deus, mas este não é o ponto de sua retidão. Deus prometeu a Abraão que Ele lhe daria um filho. Era esta promessa que Abraão tinha que escolher acreditar ou não – mesmo quando ele sabia que ele era um octogenário e sua esposa era septuagenária. Ele acreditou que Deus de alguma forma cumpriria a promessa feita a ele. Crença, nesta historia, significa confiança. Abraão escolheu confiar em Deus por um filho.

Quando Abraão escolheu acreditar naquela promessa de um filho então Deus também lhe deu – ‘creditou’ – retidão. No fim, Abraão obteve tanto o cumprimento da promessa (um filho a partir de quem uma grande nação viria) e também retidão.

Retidão – não do mérito ou esforço

Abraão não ‘mereceu’ a retidão; ela lhe foi ‘creditada’.  Qual é a diferença? Se você ‘ganha’ algo é porque você trabalhou por aquilo – você mereceu. É como ganhar salário pelo trabalho que você faz. Mas quando algo lhe é creditado, tal coisa lhe é dada. Não é algo ganho ou merecido, mas simplesmente recebido.

Pensamos que fazer mais coisas boas do que ruins, fazer bons atos ou cumprir as obrigações nos permite merecer ou ser dignos da retidão. Abraão prova que essa ideia é falsa. Ele não tentou ganhar a retidão. Ele simplesmente escolheu acreditar na promessa que lhe foi feita, e a retidão lhe foi dada.

A Crença de Abraão: Ele apostou sua vida nela

Escolher acreditar na promessa de um filho era simples, mas não era fácil. Quando  ele primeiramente recebeu a promessa de uma ‘Grande Nação’ ele tinha 75 anos de idade e havia deixado seu país natal e viajado para Canaã.  Quase dez anos se passaram e Abraão e Sara ainda não têm um filho – muito menos uma nação! “Por que Deus já não nos deu um filho se ele pode nos dar”?, ele teria imaginado. Abraão acreditou na promessa de um filho porque ele confiou em Deus, ainda que ele não entendesse tudo acerca da promessa, e nem tivesse todas as suas perguntas respondidas.

Acreditar na promessa exigia espera ativa. Toda sua vida foi interrompida enquanto ele vivia em tendas esperando pela promessa. Teria sido muito mais fácil criar desculpas e voltar para casa na Mesopotâmia (atualmente no Iraque) que ele havia deixado muitos anos atrás, e onde seu irmão e família ainda viviam. A vida era confortável lá.

Sua confiança assumiu a prioridade sobre seus objetivos normais na vida – segurança, conforto e bem-estar. Ele poderia ter desacreditado na promessa enquanto ainda acreditava na existência de Deus e continuava suas atividades religiosas e boas ações. Então ele teria mantido sua religião, mas não teria sido ‘creditado’ com retidão.

Nosso Exemplo

O restante da Bíblia trata Abraão como um exemplo para nós. A crença de Abraão na promessa de Deus, e o fato dele ter sido creditado com retidão, é um padrão para nós. A Bíblia tem outras promessas que Deus faz para todos nós. Nós também temos de escolher se confiaremos nelas.

Eis aqui um exemplo de tal promessa:

Contudo, aos que o receberam, aos que creram em seu nome, deu-lhes o direito de se tornarem filhos de Deus,  os quais não nasceram por descendência natural, nem pela vontade da carne nem pela vontade de algum homem, mas nasceram de Deus. (João 1:12-13)

Hoje sabemos que a promessa a Abraão se cumpriu. É inegável que o povo judeu hoje existe como a nação que veio de Abraão. Mas como Abraão nós enfrentamos uma promessa hoje que parece improvável e suscita algumas perguntas. Como Abraão, nós escolhemos confiar nesta promessa – ou não.

Quem paga pela Retidão?

Abraão mostrou que a retidão é dada como um presente. Quando você recebe um presente você não paga por ele. O presenteador é quem paga. Deus, o doador da retidão, terá de pagar pela retidão. Como Ele pagará por ela? Veremos isso em nosso próximo artigo.

A Promessa Perene a um Homem Desconhecido

O que o mundo presta muita atenção hoje no esporte e politica será rapidamente esquecido conforme nossa atenção se mudar para outros entretenimentos, campeonatos ou acontecimentos políticos. O destaque de um dia rapidamente é esquecido no dia seguinte. Vimos em nosso  artigo anterior  que foi exatamente isso o que aconteceu no tempo de Abraão. As importantes realizações que chamavam a atenção do povo vivendo 4000 anos atrás estão totalmente esquecidas, mas uma promessa dita calmamente a um individuo, apesar de negligenciada pelo mundo na época, está crescendo e ainda se desenrolando diante de nossos olhos. A promessa feita a Abraão cerca de 4000 anos atrás se cumpriu. Talvez Deus exista e esteja trabalhando no mundo.

A Reclamação de Abraão

Vários anos se passaram na vida de Abraão desde que  a Promessa registrada em Gênesis 12  foi dita.  Em obediência, Abraão se mudou para Canaã (a Terra Prometida) no local que hoje é Israel, mas o nascimento do filho da promessa não aconteceu. Então Abraão começou a se preocupar.

Depois dessas coisas o Senhor falou a Abrão numa visão: “Não tenha medo, Abrão! Eu sou o seu escudo; grande será a sua recompensa! ”

Mas Abrão perguntou: “Ó Soberano Senhor, que me dá, é continuo sem filhos e o pastor que é possível Eliézer de Damasco?” E acrescentou: “Tu não me deste cão filho! Um servo da minha casa será o meu herdeiro! (Gênesis 15:1-3)

A Promessa de Deus

Abraão estava acampando do lado de fora da Terra esperando o inicio da ‘Grande Nação’ que lhe fora prometida. Mas nada aconteceu e ele estava com aproximadamente 85 anos de idade (dez anos havia se passado desde o tempo que havia se mudado). Ele reclamou que Deus não estava mantendo Sua Promessa.  A conversa entre Abraão e Deus continuou:

Então o Senhor deu-lhe a seguinte resposta: “Seu herdeiro não será esse. Um filho gerado por você mesmo será o seu herdeiro”. Levando-o para fora da tenda, disse-lhe: “Olhe para o céu e conte as estrelas, se é que pode contá-las”. E prosseguiu: “Assim será a sua descendência”. (Gênesis 15:4-5)

Então Deus expandiu Sua Promessa inicial ao declarar que Abraão teria um filho que se tornaria um povo tão incontável quanto as estrelas no céu. E estas pessoas receberiam a Terra Prometida – hoje chamada Israel.

A Resposta de Abraão: Efeito Eterno

Como Abraão responderia à Promessa expandida? O que vem a seguir é uma frase que a própria Bíblia trata como uma das frases mais importantes em toda a Bíblia. Ela nos ajuda a entender a Bíblia e mostra o coração de Deus. Ela diz:

Abrão creu no Senhor, e isso lhe foi creditado como justiça. (Gênesis 15:6)

É mais fácil entender esta frase se substituirmos os pronomes por nomes, a frase ficaria assim:

Abrão creu no Senhor, e o Senhor creditou isso como justiça a Abrão. (Gênesis 15:6)

É uma frase muito curta e simples, mas ela é realmente importante. Por quê? Porque nesta curta frase Abraão obtém ‘justiça’. Esta é uma qualidade – e a única qualidade – que precisamos para alcançarmos posição favorável diante de Deus.

Revisando nosso Problema: Corrupção

A partir do ponto de vista de Deus, embora tenhamos sido criados à imagem de Deus algo aconteceu  que nos corrompeu.

O Senhor olha dos céus para os filhos dos homens…Todos se desviaram, igualmente se corromperam; não há ninguém que faça o bem, não há nem um sequer. (Salmos 14:2-3)

O resultado da nossa corrupção é que não fazemos aquilo que é bom – causando vazio e morte.  Se duvidar disto, leia as manchetes dos noticiários e veja o que as pessoas fizeram nas últimas 24 horas. Isto significa que estamos separados do Deus Reto porque carecemos de retidão.

Nossa corrupção repele a Deus da mesma maneira que nos afastamos do corpo de um rato morto. Não queremos chegar perto do rato morto. Então as palavras do profeta Isaias na Bíblia se cumprem.

Somos como o impuro — todos nós! Todos os nossos atos de justiça são como trapo imundo. Murchamos como folhas, e como o vento as nossas iniqüidades nos levam para longe. (Isaias 64:6)

Abraão e Retidão

Mas aqui na conversa entre Abraão e Deus vemos uma calma declaração que Abraão havia ganhado ‘retidão’, do tipo de retidão que Deus aceita – ainda que Abraão não estivesse sem pecados. Então, o que Abraão ‘fez’ para obter essa retidão? O texto simplesmente diz que Abraão ‘acreditou’. Só isso?! Tentamos merecer a retidão ao fazer algo, mas este homem, Abraão, a alcançou simplesmente ao ‘acreditar’.

Mas o que acreditar significa? E o que isto tem a ver com sua retidão e a minha? Abordaremos isso a seguir.