Feitos à Imagem de Deus

Podemos usar a Bíblia para entender de onde viemos? Muitos dizem ‘não’, mas existe muita coisa acerca de nós que faz sentido à luz do que a Bíblia diz. Por exemplo, considere o que a Bíblia ensina acerca de nossas origens. O primeiro capitulo diz:

Então disse Deus: “Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança… Criou Deus o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou. (Genesis 1:26-27)

À Imagem de Deus

O que quer dizer que a humanidade foi criada ‘à imagem de Deus’? Isto não quer dizer que Deus tem dois braços e uma cabeça. Antes, isto quer dizer que nossas características básicas vêm de Deus. Na Bíblia, Deus pode se entristecer, se machucar, ficar bravo ou alegre – as mesmas emoções que temos. Fazemos escolhas e tomamos decisões todos os dias. Deus também faz escolhas e toma decisões. Podemos pensar e Deus também pensa. Ser feito à imagem de Deus’ significa que temos uma mente, emoções e vontade porque Deus tem mente, emoções e vontade e Ele nos criou para sermos como ele nestes aspectos. Ele é a fonte do que encontramos em nós.

Estamos conscientes de nós mesmos e de ‘eu’ e ‘você’. Não somos coisas impessoais. Somos assim porque Deus nos criou desta forma. O Deus da Bíblia não é uma entidade impessoal como a ‘Força’ no filme Guerra nas Estrelas e nem nós somos assim, pois fomos criados à Sua imagem’.

Por que gostamos da beleza?

Nós também valorizamos a arte, dramaturgia e a beleza. Precisamos de beleza, música e livros ao nosso redor. A música enriquece nossas vidas e nos faz dançar. Amamos boas estórias porque estórias têm heróis, vilões, drama e as grandes estórias colocam estes heróis, vilões e drama em nossas imaginações. Usamos a arte em suas muitas formas para entreter, relaxar e nos revigorar porque Deus é um artista e nós somos sua imagem. É uma pergunta que vale a pena ser feita. Por que buscamos a beleza, drama, música, dança, natureza ou literatura? Daniel Dennett, um ateu convicto e uma autoridade sobre o funcionamento do cérebro, responde a partir de uma perspectiva não bíblica:

“Mas a maior parte desta pesquisa ainda ignora a música. Ela raramente indaga: Por que a música existe? Existe uma resposta curta, e ela é verdadeira ate onde se propõe responder: ela existe porque a amamos e, portanto, continuamos a criar mais música. Mas por que a amamos? Por que nós a consideramos bonita. Mas por que achamos a música bonita? Esta é uma ótima questão e uma questão completamente biológica, mas ela ainda não tem uma resposta adequada”. (Daniel Dennett.  Breaking the Spell: Religion as a Natural Phenomenon.  p. 43)

Não existe resposta clara separada de Deus sobre por que todas as formas de arte nos são tão importantes. A partir do ponto de vista bíblico isso se dá porque Deus criou coisas belas e curte a beleza. Nós, criados à sua imagem, somos iguais a Ele. O ensino bíblico explica nosso amor pela arte.

Porque somos morais

Ser ‘feito à imagem de Deus’ explica nossa capacidade moral. Entendemos o que é um comportamento ‘errado’ e um comportamento ‘certo’ – ainda que nossas línguas e culturas sejam bastante diferentes. O raciocínio moral esta ‘em’ nós. Conforme o famoso ateu Richard Dawkins coloca:

“Conduzir nossos julgamentos morais é uma gramática universal… Assim como a língua, os princípios que constituem nossa gramática moral voam acima do radar de nossa consciência” (Richard Dawkins, The God Delusion, p. 223)

Dawkins explica que nossa consciência de certo e errado está embutida em nós como nossa habilidade de ter uma língua, mas é difícil para ele explicar, apenas a partir de fontes físicas, porque temos isto. Equívocos acontecem quando não reconhecemos Deus como nos dando nossa bússola moral. Veja, por exemplo, esta nova objeção de Sam Harris, outro ateu famoso:

 “Se você estiver certo em acreditar que a fé religiosa oferece a única base real para a moralidade, então os ateus devem ser inferiores aos crentes”. (Sam Harris. 2005. Letter to a Christian Nation p.38-39)

Harris entende errado. Falando biblicamente, nosso sentido de moralidade vem do fato de sermos feitos à imagem de Deus, não a partir de sermos religiosos. E é por isso que os ateus, assim como todas as demais pessoas, possuem esse sentido moral e agem moralmente. Os ateus não entendem porque somos assim.

Porque somos tão relacionais

Biblicamente, o ponto de partida para entender a nós mesmos é reconhecer que somos feitos à imagem de Deus. Não é difícil perceber a importância que as pessoas colocam nos relacionamentos. É normal assistir a um bom filme, mas é muito melhor ver o filme com um (a) amigo (a). Nós naturalmente procuramos amigos e parentes para compartilhar experiências e melhorar nosso bem estar. Por outro lado, a solidão e famílias divididas e amizades nos estressam. Se somos a imagem de Deus, então esperamos encontrar essa mesma ênfase em Deus – e encontramos. A Bíblia diz que “Deus é amor…” (1 João 4:8). A Bíblia muito diz acerca da importância que Deus coloca em nosso amor por ele e pelas outras pessoas – esses tipos de amor são chamados na Bíblia como os dois mandamentos mais importantes da Bíblia. Quando você pensa a respeito disso, o Amor deve ser relacional uma vez que ele exige ao menos duas pessoas.

Portanto, devemos pensar em Deus como alguém que ama. Se apenas pensarmos nele como um ‘Ser Benevolente ’ não estamos pensando no Deus bíblico – antes criamos um deus a partir de nossas mentes. Ainda que Ele seja isto, Ele também é apaixonado por relacionamento. Ele não ‘tem’ amor. Ele ‘é’ amor. Os dois exemplos bíblicos mais conhecidos do relacionamento de Deus com as pessoas são aquele de um pai com seus filhos e de um marido com sua esposa. Estes não são relacionamentos distantes, mas são os mais profundos e mais íntimos dos relacionamentos humanos.  A Bíblia diz que Deus é assim.

Dessa forma, eis o que aprendemos até agora.  As pessoas foram criadas à imagem de Deus, querendo dizer, com mente, emoções e vontade. Estamos conscientes de nós mesmos e dos outros. Sabemos a diferença entre o certo e o errado. Podemos apreciar a beleza, a dramaturgia, arte e estória em todas as suas formas e iremos, naturalmente, buscar e desenvolver relacionamentos e amizades com outras pessoas. Somos tudo isso porque Deus é tudo isso e somos feitos à imagem de Deus. A seguir continuaremos a explicação bíblica do motivo pelo qual nossos relacionamentos quase sempre nos desapontam e porque Deus parece tão distante e porque nossos anseios jamais parecem se realizar.

 

Simplesmente Potente: Qual é o significado do sacrifício de Jesus?

Jesus veio para dar a si próprio, como um sacrifício por todos os povos.  Esta mensagem foi anunciada no princípio da história humana, brasonada com uma assinatura divina nos sacrifícios de Abraão e da Páscoa, com mais detalhes profetizados em várias profecias no Velho Testamento.    Porque a sua morte é tão importante e merece tal enfâse?  Esta é uma pergunta que vale a pena considerar.  A Bíblia declara algo semelhante a uma lei ao dizer:

Porque o salário do pecado é a morte… (Romanos 6:23)

“A morte” quer dizer, literalmente, “separação”.  Quando a alma se separa do corpo morremos fisicamente.  De forma semelhante, estamos separados de Deus espiritualmente.   Isto é verdade porque Deus é santo (sem pecado), e como estamos corrompidos do nosso estado original, pecamos.

separados de Deus
Estamos separados de Deus por causa dos nossos pecados. A nossa separação é como um abismo entre dois penhascos.

Isto pode ser visualizado por meio desta ilustração – estamos em cima de um penhasco e Deus está no penhasco oposto.  Estamos separados de Deus por este abismo sem fundo.  Como um ramo cortado de uma árvore morre, também estamos “cortados” de Deus e, espiritualmente, estamos mortos.

Esta separação causa vergonha e receio.  Por isso, naturalmente tentamos construir pontes para sair do nosso lado (da morte) e chegar ao lado onde está Deus.  Tentamos isto de muitas maneiras diferentes: indo à igreja, templo, ou mesquita; sendo religioso, sendo bons, meditando, tentando ser mais atenciosos, orando mais, etc.  Esta lista de atos para ganhar méritos é muito comprida para alguns de nós – e cumpri-la é complicado!  Isto está ilustrado na figura seguinte. 

not by religious merit
Bons esforços, apesar de úteis, não podem criar uma ponte entre nós e Deus.

O problema é que os nossos esforços, méritos, sacrifícios, práticas ascéticas etc., embora não sejam coisas más, são insuficientes porque o pagamento necessário pelos nossos pecados é a morte.  Os nossos esforços são como uma ponte que tenta atravessar o abismo entre nós e Deus, mas no fim não é capaz de alcançar a Deus.  As nossas boas ações não resolvem o nosso problema.  É como tentar curar um cancro fazendo uma dieta vegetariana.  Dietas vegetarianas não são más, mas não curam um cancro.  É preciso um tratamento totalmente diferente.

Até agora esta Lei tem sido muito negativa.  É tão negativa que às vezes não a queremos ouvir e frequentemente enchemos a nossa vida de atividades e bens na esperança de nos afastarmos desta Lei.  Como a cura para o cancro passa a ser muito importante logo que ouvimos o diagnóstico que temos cancro, também a Bíblia dá enfâse a esta Lei sobre o pecado e a morte para ficarmos interessados numa cura simples mas ainda assim potente.

 Porque o salário do pecado é a morte, mas… (Romanos 6:23)

A palavrinha “mas” mostra que a direção desta mensagem vai mudar e tornar-se a Boa Nova do Evangelho – a cura.

 Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo Jesus, nosso Senhor. (Romanos 6:23)

A boa nova do Evangelho é que o sacrifício da morte de Jesus é suficiente para atravessar a separação entre nós e Deus.  Sabemos isto porque três dias depois de morrer, Jesus ressuscitou corporalmente do túmulo, tornando-se vivo por meio da ressurreição física.  Ainda que algumas pessoas escolham a não acreditar na ressurreição de Jesus, a maior parte ainda não se informou da forte evidência da ressurreição de Jesus.  O sacrifício de Jesus foi demonstrado profeticamente pelo sacrifício de Abraão e a inauguração do sacrifício da Páscoa.

Jesus era um humano que viveu uma vida sem pecado.  Por isso, Jesus pode alcançar os dois lados do abismo – o lado de Deus e o lado dos humanos – cobrindo o abismo que separa as pessoas de Deus.   Ele é a Ponte para a Vida, e isto pode ilustrar-se como mostra a figura seguinte.

jesus is bridge
Jesus é a ponte que preenche o abismo entre nós e Deus.

Note como nos é oferecido o sacrifício de Jesus.  É nos oferecido como um “dom gratuito”.  Pense em presentes.  Não importa o que seja, um presente verdadeiro é gratuito; não é algo que se possa merecer ou ganhar.  Se tivermos ganhado um presente, já não é um presente verdadeiro.  No mesmo sentido não se pode merecer ou ganhar o sacrifício de Jesus; é oferecido como um dom grátis.  É simples!

Ora, o que é o “dom”?  É “a vida eterna”. Isto significa que o pecado que nos leva à morte, agora está cancelado.  O sacrifício de Jesus é uma ponte que podemos atravessar para chegar a Deus e receber vida – vida que dura para sempre.  Este dom é dado por Jesus que, por ressuscitar dos mortos, mostra-se ser o “Senhor”.  É poderoso desta forma!

Então, como é que nós “atravessamos” esta Ponta da Vida que nos é oferecida?  Mais uma vez, pense em presentes.  Se alguém vier lhe dar um presente, não é merecido. Mas para desfrutar o presente tem que, pelo menos, recebê-lo. Quando um presente é oferecido existem duas alternativas.  O presente é rejeitado (“Não obrigado”) ou recebido(“Obrigado pelo presente! Deixa-me ver o que é!”).  Da mesma forma, este presente que nos é oferecido por Jesus tem que ser recebido – é só isso.  Não pode ser só consentido mentalmente, estudado, ou compreendido.  Isto está ilustrado na figura seguinte; atravessamos a cruz quando nos viramos a Deus e recebemos o presente que Ele nos oferece.

receive gift of jesus
O sacrifício de Jesus é um dom que cada um de nós
tem que escolher receber.

Então, como é que recebemos este dom?  A Bíblia diz que,

Porque todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo. (Romanos 10:13)

Note que esta promessa é para todos.  Desde que Jesus ressuscitou dos mortos, Jesus está vivo e ainda é o “Senhor”.  Por isso, se chamarmos a Jesus ele irá ouvir e estender-nos o dom da vida eterna.  Tem que chamar a Jesus e pedir-lhe por meio duma conversa com ele.  Talvez nunca tenha feito isto antes.  Aqui tem um guia para o ajudar a conversar e orar a Jesus.  Não é um feitiço mágico.  Não são as palavras que dão poder.  É a nossa confiança (como tinha Abraão) em Jesus que ele tem a vontade e o poder de nos dar este dom.  Quando confiarmos em Jesus, ele vai ouvir e responder-nos.  O Evangelho é potente e ainda assim é tão simples.  Não hesite a seguir este guia enquanto fala em voz alta ou silenciosamente no seu espírito, com Jesus para receber este dom.

Senhor Jesus.  Eu entendo que estou separado de Deus por causa dos meus pecados.  Por mais que eu tente, não há esforço ou sacrifício da minha parte que possa transpor esta separação. Eu entendo que a Tua morte foi um sacrifício para purificar todos os pecados – até os meus.  Acredito que Tu ressuscitaste depois do Teu sacrifício para que eu pudesse saber que Teu sacrifício é suficiente.  Peço-Te que me limpes e me leves a Deus para que eu possa ter a vida eterna.  Não quero viver uma vida escravizada pelo pecado; por favor, liberta-me dos meus pecados.  Obrigado Senhor Jesus por fazer tudo isto por mim.  Que continues a conduzir-me ao longo da minha vida para que eu possa seguir-Te como o meu Senhor.  Amém.

A Ressurreição: Estória Ridícula ou História Real?

Quando criança aprendi muitas estórias maravilhosas sobre os nossos feriados religiosos. Aprendi que um homem jovial e gordo voava em volta do mundo com renas, descendo por chaminés para dar prendas a meninos bons no Natal. Aprendi sobre o coelhinho que dava ovos e chocolates aos mesmos meninos na Páscoa. Ao ficar mais velho, soube que tais estórias eram meigas mas falsas. Eu podia olhar para traz e rir das estórias, mas eu as superei.

Também aprendi outras ‘estórias’ como as sobre os nossos feriados religiosos. Nestas estórias, magos seguiam estrelas e um bebê foi posto numa manjedoura – estórias que formam a base da celebração do Natal. Talvez a estória mais dramática seja a de como Jesus morreu na cruz e três dias depois ressuscitou – estórias formando a base da Páscoa.

A segunda série dessas estórias parece tão fantástica como a primeira série. Quando eu fiquei mais velho e soube que as primeiras não eram verdade uma questão me veio à cabeça: tenho a certeza que as outras estórias são verdadeiras? Afinal todas estão entrelaçadas com feriados religiosos, todas dão espanto e são incríveis! Isto é especialmente verdade em relação a estória da Páscoa, que fala que Jesus fisicamente ressuscitou três dias depois de morrer. Esta estória é provavelmente a mais ousada dentre todas. Pode-se lhe dar o título ‘Homem morto volta à vida’. Será verdade? Será isso credível? Existirá alguma evidência para substanciar tal afirmação?

Talvez sejam questões difíceis para resolver, mas com certeza são questões que merecem o nosso pensamento maduro pois tocam diretamente na nossa vida. Afinal, o mais esperto, o mais forte, o mais poderoso de nós todos, morrerá só. O mesmo é verdade também para mim e você. Se houvesse alguém que venceu a morte, deveríamos ter interesse nisso. Deixem-me partilhar convosco o que eu descobri ao estudar este assunto.

Informação histórica de Jesus – fora da Bíblia      

Talvez a melhor maneira de resolver este problema seja considerar cada alternativa e ver qual delas faz sentido – sem prejulgar por ‘fé’ qualquer explanação. O facto de que Jesus viveu e morreu uma morte em público e que alterou o caminho da história é óbvio. Não se precisa de ir á Bíblia para se verificar isso. Há varias referências a Jesus em histórias seculares de como ele impactou o mundo durante os seus dias. Consideremos duas fontes. O governador romano e historiador Tácito escreveu uma referência fascinante a Jesus ao descrever como o Imperador Nero martirizou cristãos no século um (no ano 65 D.C.) como bodes expiatórios por causa do fogo em Roma. Tácito escreveu no ano 112 D.C.:

 Nero castigava com as piores torturas as pessoas chamadas cristãs, que eram odiadas. ‘Christus’, o fundador do nome foi condenado à morte por Pôncio Pilatos o procurador da Judeia no reino de Tibério; mas a superstição perniciosa, reprimida por algum tempo se espalhou outra vez, não só na região da Judeia onde se originou o assunto problema, mas também pela cidade de Roma. (Tacitus. Anais XV. 44)  

O ponto interessante desta afirmação é que Tácito verifica que: 1) Jesus existiu como homem na história; 2) Jesus foi executado por Pilatos e 3) já no tempo de Nero a fé cristã tinha se espalhado através do Mar Mediterrâneo, da Judeia até a Roma com tal intensidade que o Imperador sentiu que tinha que fazer alguma coisa sobre o assunto. Note também que Cornélio Tácito diz isto como testemunha hostil porque considera que o movimento que Jesus começou era uma ‘superstição perniciosa’.

Josefo era um líder militar e historiador Judaico que escreveu para uma audiência Romana. Na sua escrita Josefo resume a história da nação Judaica do princípio até ao fim da sua vida. Ao fazer isso ele explica o tempo e a carreira de Jesus com estas palavras:

Neste tempo havia um homem sábio… Jesus… bom, e… virtuoso. Muitas pessoas dos Judeus e dos outros povos tornaram-se os seus discípulos. Pilatos condenou-o à morte por crucificação. E as pessoas que se tinham tornado os seus discípulos não abandonaram a sua comitiva. Eles reportaram que ele lhes tinha aparecido três dias depois da sua crucifixão e que estava vivo.” (Josefo. 90 D.C., Antiguidades XVIII. 33)  

Então, baseado nestas visões rápidas do passado, parece que a morte de Cristo era um facto bem conhecido e que o assunto da sua ressurreição era divulgado intensamente no mundo Romano pelos seus discípulos.

Informação histórica de Jesus – da Bíblia      

Lucas, doutor e historiador, fornece mais detalhas sobre a progressão desta fé no mundo antigo. Aqui tem-se um trecho do livro Atos escrito por Lucas:

Falavam eles ainda ao povo quando sobrevieram os sacerdotes, o capitão do templo e os saduceus, ressentidos por ensinarem eles o povo e anunciarem, em Jesus, a ressurreição dentre os mortos; e os prenderam, recolhendo-os ao cárcere até ao dia seguinte, pois já era tarde…. Ao verem a intrepidez de Pedro e João, sabendo que eram homens iletrados e incultos, admiraram-se; e reconheceram que haviam eles estado com Jesus… consultavam entre si, dizendo: Que faremos com estes homens? (Atos 4:1-16, no ano 63 D.C.)

 Levantando-se, porém, o sumo sacerdote e todos os que estavam com ele… prenderam os apóstolos e os recolheram à prisão pública… se enfureceram e queriam matá-los… açoitaram-nos e, ordenando-lhes que não falassem em o nome de Jesus, os soltaram. (Atos 5:17-40)

Pode-se ver neste trecho que os líderes da comunidade faziam grandes esforços para exterminar esta ‘superstição perniciosa’ (como era chamada por Tácito). Devemos notar que estes eventos aconteciam na cidade de Jerusalém, na mesma cidade em que Jesus tinha sido assassinado publicamente e sepultado há poucas semanas.

O corpo de Jesus poderia ter ficado no sepulcro?

Tendo considerado os dados históricos que são pertinentes, podemos pensar nas explanações possíveis sobre a alegada ressurreição de Jesus. Começando, só temos duas alternativas sobre o corpo morto de Cristo (note, somente duas): o túmulo estava vazio naquela famosa manhã da Páscoa, ou o túmulo ainda continha o corpo de Cristo. Só existem estas alternativas, não existem outras possibilidades.

Vamos presumir que o corpo de Cristo ainda estivesse no túmulo. Ao pensar nos eventos da história desta perspectiva, rapidamente encontramos dificuldades. Porque é que os líderes romanos e judaicos em Jerusalém teriam que fazer tais grandes esforços ao fim de parar exagerações duma alegada ressurreição, se o corpo ainda estivesse no túmulo, a pouca distância da localização onde os apóstolos estavam a pregar? Se eu fosse um dos líderes, eu teria esperado até os discípulos terem chegado ao clímax da sua pregação sobre a ressurreição e naquele instante exibiria a todos o corpo de Cristo. Eu teria desacreditado o movimento incipiente sem ter que encarcerar, torturar nem martirizar ninguém. Considere, milhares de pessoas foram convencidos a acreditar na ressurreição física de Jesus em Jerusalém naquele tempo. Se eu fosse um das pessoas na multidão ouvindo a Pedro e ponderando se eu podia acreditar na sua incrível mensagem (pois, esta crença vinha com o preço de perseguição), pelo menos eu tinha investido a minha pausa para almoço e ido ao túmulo para verificar se o corpo ainda lá estava. Se o corpo de Cristo estivesse no túmulo o movimento não teria ganho nenhum seguidor, pois era um ambiente muito hostil com muita evidência incriminadora em todo lado. Então, a hipótese que o corpo de Cristo ficou no túmulo guia-nos a conclusões absurdas. Essa alternativa não merece consideração séria.

Os discípulos roubaram o corpo?

Até aqui a nossa investigação não prova a ressurreição – pois há muitas boas explanações para o túmulo vazio sem aceitar a ressurreição. Contudo, qualquer explanação para a ausência do corpo também precisa de prestar contas pela situação então corrente: o selo romano no túmulo, a patrulha de soldados guardando o túmulo, a pedra enorme cobrindo a entrada, o 40kg da substância para embalsamar o corpo… a lista continua. O espaço não nos deixa considerar todos os factores e cenários para explanar a ausência do corpo, mas a explanação mais popular sempre tem sido a que os discípulos a si mesmos roubaram o corpo do túmulo, esconderam-no e conseguiram enganar outros.

Vamos presumir outro cenário, evitando, por uma questão de argumento algumas das dificuldades em relação a explicar como um grupo de discípulos abatidos, que fugiu para defender a sua própria vida quando as autoridades prenderam Jesus, podia reunir-se outra vez e fabricar um plano para roubar o corpo – um plano que podia despistar e superar a guarda romana. Vamos conjeturar que eles quebrassem o selo, removessem a enorme pedra e fugissem com o corpo embalsamado sem deixarem vestígios. Vamos supor que eles conseguissem fazer tudo isso e começou uma fé religiosa baseada nesta decepção. Hoje em dia, muitos de nós acreditam que a motivação dos primeiros discípulos era a necessidade de proclamar fraternidade e amor entre os homens, e que a morte de Cristo e a ressurreição (espiritual ou metafórica) de Cristo era o catalisador da mensagem. Porém, se você ler a narração de Lucas e Josefo, notará que a questão controversa era que ‘os apóstolos estavam a ensinar ao povo e proclamando em Jesus a ressurreição dos mortos’. Este tema é proeminente nos seus escritos. Note como Paulo, outro apóstolo, atribui grande importância ao assunto da ressurreição de Cristo:

Antes de tudo, vos entreguei o que também recebi: que Cristo morreu… que foi sepultado e ressuscitou ao terceiro dia… apareceu a Cefas [Pedro] e, depois, aos doze… se Cristo não ressuscitou, é vã a nossa pregação, e vã, a vossa fé… Se a nossa esperança em Cristo se limita apenas a esta vida, somos os mais infelizes de todos os homens… Se, como homem, lutei em Éfeso com feras, que me aproveita isso? Se os mortos não ressuscitam, comamos e bebamos, que amanhã morreremos. (1 Coríntios 15:3-32)

Claramente (pelo menos na mente dos apóstolos) os discípulos tinham o testemunho da ressurreição no centro da sua mensagem. Então, presumamos que o testemunho dos discípulos fosse falso e que realmente os discípulos tivessem roubado o corpo para que a evidência contra a sua mensagem não os pudesse impedir. Talvez, eles pudessem ter enganado o mundo, mas eles teriam reconhecido em si próprios que, o que estavam a pregar, escrever, e usar para criar agitação social, era falso. Mas eles deram as suas próprias vidas (literalmente) por esta missão. Porque é que fariam isso se soubessem que a base da sua fé era falsa? Frequentemente, pessoas dão a vida por uma causa (quer causa digna ou não) porque crêem na causa pela qual lutam, ou seja, acham que podem ganhar alguma coisa na luta pela causa. Considere os homens-bomba no Oriente Médio, certamente esse é o melhor exemplo moderno da devoção extrema por uma causa – culminando na morte deles e de outros. É muito provável que não acreditemos na causa dos homem-bomba, mas é óbvio que eles acreditem na causa pela qual se sacrificam. Eles chegam a tais extremos porque crêem que depois de morrer irão para o paraíso como um prêmio pelo seu sacrifício. Essa crença pode ser falsa, mas pelo menos acreditam nela, ou não iam arriscar a sua própria vida numa aposta tão drástica. A diferença principal entre os homens-bomba e os primeiros discípulos é que os homens-bomba não estão numa posição para verificar factualmente a sua crença, mas os discípulos estavam. Se tivessem roubado e escondido o corpo, eles de todas as pessoas teriam sabido que a reportagem da ressurreição não era verdade. Examine nas suas próprias palavras que preço os discípulos pagaram por causa de espalhar a sua mensagem. Pergunte-se se você pagaria tal preço pessoal para propagar uma estória que você soubesse ser falsa:

 Em tudo somos atribulados… perplexos… perseguidos… abatidos… na muita paciência, nas aflições, nas privações, nas angústias, nas açoites, nas prisões, nos tumultos, nos trabalhos, mas vigílias, nos jejuns… castigados… entristecidos… pobres… nada tendo… Cinco vezes recebi dos judeus uma quarentena de açoites menos um; fui três vezes fustigado com varas; uma vez, apedrejado; em naufrágio, três vezes; …, em perigos de rios, em perigos de salteadores, em perigos entre patrícios, em perigos entre gentios, em perigos na cidade, em perigos no deserto, em perigos no mar… em trabalhos e fadigas, em vigílias, muitas vezes; em fome e sede… em frio e nudez… Quem enfraquece, que também eu não enfraqueça? (1Coríntios 4:8, 6:4-10, 11:24-29)

Quanto mais eu pondero o intrépido heroísmo de todas as suas vidas (nem sequer um só apóstolo renegou na hora da prova) quanto mais acho que é impossível que eles não acreditassem na mensagem que estavam a proclamar. Se a acreditassem, não podiam ter roubado e escondido o corpo de Cristo. Um dos melhores advogados criminalistas, que ensinava estudantes da lei na universidade de Harvard como se sondam as fraquezas em testemunhas, disse isto sobre este assunto:

 Os anais de guerra militar mal fornecem um só exemplo deste tipo de heroica constância, paciência e coragem inabalável. Eles tinham todos os motivos de rever cuidadosamente a base da sua fé e as evidências dos grandes factos e verdades que afirmavam. (Greenleaf. 1874. An Examination of the Testimony of the Four Evangelists by the Rules of Evidence Administered in the Courts of Justice. p. 29)

 Em relação a isso é o silêncio dos inimigos dos discípulos – judaicos ou romanos. Estas testemunhas hostis não tentaram contar a história ‘real’ de forma séria, ou mostrar que os discípulos estavam errados. Como diz Dr. Montgomery,

 Isso sublinha a confiabilidade do testemunho sobre a ressurreição de Cristo que era apresentada contemporaneamente nas sinagogas – diretamente contra a oposição, no meio de examinadores hostis que certamente podiam ter destruído o caso… se os factos fossem de outro modo. (Montgomery. 1975. Legal Reasoning and Christian Apologetics. p. 88-89)

Neste estudo breve não tivemos espaço para considerar todos os aspetos da questão. Contudo, a coragem inabalável dos discípulos e o silêncio das testemunhas hostis daquela época falam volumes ao fim que Cristo podia ter ressuscitado, e que vale a pena examinar o assunto a sério e pensativo. A ressurreição é o clímax do evangelho. Uma maneira de pensar na ressurreição com mais profundidade é entendê-la no seu contexto Bíblico. Uma boa maneira a começar é ler sobre os sinais de Abraão e Moisés. Embora vivessem mais de mil anos antes de Cristo, as suas experiências eram predições proféticas da morte e ressurreição de Jesus.