O Avatar A – Z de Além do Nosso Universo

  • por

Sergiy Brin, filho de imigrantes judeus russos nos EUA, e Larry Page, cuja mãe é judia, cofundaram o Google juntos em 1998. Em 2015, o Google se reorganizou, colocando-se sob sua recém-criada empresa-mãe ‘Alphabet’. A Alphabet cresceu de uma empresa avaliada em US$ 23 bilhões quando abriu seu capital em 2004 para US$ 1.7 trilhão no início de 2022. A Alphabet se tornou tão valiosa porque seus recursos de pesquisa transformaram nossa capacidade de acessar informações de qualquer lugar do planeta.

Larry Page
Sergiy Brin

Origens do alfabeto

Que dois cientistas de dados judeus seculares pioneiros lançassem essa tecnologia da informação que muda o mundo e a chamassem de ‘Alfabeto’ é irônico quando se considera de onde veio o alfabeto. A Wikipédia nos diz:

A história do alfabeto remonta ao sistema de escrita consonantal usado para Línguas semíticas no Levante no 2º milênio aC. A maioria ou quase todos os scripts alfabéticos usados ​​em todo o mundo hoje, em última análise, remontam a esse proto-alfabeto semítico.[1] Suas primeiras origens remontam a uma Proto-sinaítico roteiro desenvolvido em Egito Antigo representar a língua dos trabalhadores e escravos de língua semítica no Egito.

(wiki)

Um povo semítico que vivia como escravos no Egito Antigo desenvolveu o alfabeto pela primeira vez. Isso seria o Judeus libertados pela liderança de Moisés da escravidão egípcia. Aprofundando no script ‘Proto-Sinaitic’, aprendemos que

… é só com o colapso da Idade do Bronze e o surgimento de novos reinos semitas no Levante que proto-cananeu é claramente atestado (Inscrições de Byblos 10º-8º século aC, Inscrição de Khirbet Qeiyafa c. século 10 aC)

(wiki)

O alfabeto: Uma contribuição judaica para a humanidade

Khirbet Qeyifra Ostracon (escrita em argila) da época do rei Davi do antigo Israel. A primeira escrita do alfabeto claramente atestada

Em outras palavras, a primeira escrita baseada em alfabeto ‘claramente atestada’ veio com o surgimento dos reinos semíticos (ou seja, judeus) em Canaã. A inscrição Khirbet Qeyifra exibida como a mais antiga da escrita do alfabeto foi descoberta em uma antiga cidade israelita que data da época e do reino de Davi. Então, aqui está o que sabemos sobre as origens do alfabeto: O alfabeto mais antigo foi desenvolvido a partir de escravos semitas no Egito (Moisés levando os israelitas para fora da escravidão egípcia), com a escrita mais antiga mostrada em uma cidade israelita na época do rei Davi. 

Se não os desenvolvedores diretos, os antigos israelitas certamente foram fundamentais para o desenvolvimento do primeiro alfabeto. Seus ‘paleo-hebraico’ alfabeto então gerou o aramaico, brahmico, grego, latim, árabe e outros alfabetos modernos usados ​​hoje em todo o mundo. Os nomes das letras ainda hoje mostram a relação. A primeira letra do nosso alfabeto ‘a’, corresponde à primeira letra do alfabeto grego antigo Alpha – α, e a primeira letra do alfabeto hebraico aleph – א, e a primeira letra do alfabeto cirílico – а.

A Contribuição Judaica para os Alfabetos de hoje e de ontem

Assim, as evidências indicam que os antigos judeus contribuíram para o avanço da civilização desenvolvendo e espalhando o alfabeto como sistema de escrita. E hoje, através da liderança de Larry Page e Sergiy Brin, os judeus mais uma vez contribuíram para a humanidade por meio de sua empresa de TI Alfabeto. Enquanto eles nota

Gostamos do nome Alfabeto porque significa uma coleção de letras que representam a linguagem, uma das inovações mais importantes da humanidade, e é o núcleo de como indexamos com a pesquisa do Google!

Blog do Google

Temos explorado Jesus em relação ao seu povo de origem – os judeus. Mas aqui devemos fazer uma pausa para refletir sobre a vasta contribuição que os judeus deram à humanidade. Essa civilização se baseia no estado de direito, sem ninguém acima da lei, com a sociedade investida na educação de seus cidadãos, em parte devido à influência dos judeus. Agora aprendemos que o alfabeto simples, mas profundamente poderoso, é um presente do povo judeu para o mundo.

O alfabeto transcendente

Mas ainda resta um terceiro alfabeto, também de origem judaica, que foi oferecido ao mundo. Em nosso contexto de ‘alfabeto’ observe o seguinte.

Eu sou o Alfa e o Ômega, o Princípio e o Fim, diz o Senhor, que é, e que era, e que há de vir, o Todo-Poderoso.

Apocalipse 1:8

Deus se descreve como o ‘Alfa’ (primeira letra do alfabeto grego) e o ‘Ômega’ (a última letra). Isso é como dizer: ‘Eu sou o A a Z de tudo, transcendendo conhecimento, tempo e poder’. Mais tarde, no mesmo livro, encontramos Jesus dizendo:

13 Eu sou o Alfa e o Ômega, o Princípio e o Fim, o Primeiro e o Derradeiro.

Apocalipse 22:13

Jesus adota o mesmo termo, usando o alfabeto como plataforma para se declarar o mesmo que o ‘Senhor Deus’ que havia usado anteriormente essa expressão.

Como entender, quanto mais acreditar, isso? 

Nossa Realidade Física vista da perspectiva da Realidade Virtual

A rápida ascensão das plataformas de TI oferecidas por empresas como Alphabet e Meta fornecem uma nova maneira de lidar com essa questão. A Tecnologia da Informação levou a humanidade à beira da criação de Meta-Versos de realidade virtual, com paralelos com nossa própria realidade física. Os filósofos agora levantam questões sobre a mente e a realidade a partir desses desenvolvimentos. Como a BBC explica

Uma simulação operada por entidades superpoderosas (empresas de TI) é, em muitos aspectos, equivalente a um Universo criado por um ser divino. E levanta questões semelhantes – principalmente se você for uma das entidades superpoderosas em questão. Que tipos de riscos e responsabilidades acompanham os poderes divinos associados à operação de mundos simulados?

… considere um usuário inexperiente de um ambiente virtual que não sabe, por exemplo, que o avatar com o qual está conversando está sendo controlado por uma IA corporativa e não por um humano. Este é um cenário em que uma assimetria informacional – o fato de o usuário estar profundamente enganado sobre a natureza da interação – pode estar ligada a todo tipo de manipulação ou exploração. Compare isso com um usuário experiente de um ambiente virtual que está saindo com alguns avatares controlados por amigos (humanos), bem como um avatar controlado por IA que está contando histórias ao lado de uma fogueira virtual. Esta é uma perspectiva muito diferente. O que está acontecendo aqui é um encontro potencialmente aprimorador de vida em um reino artificial – seus prazeres derivados de uma combinação conhecida de verossimilhança e ficcionalidade.

(O homem repensando a definição de realidade – BBC Future)

A IA corporativa, o ‘criador’ de seu metaverso, pode entrar em sua realidade virtual como um avatar alimentado por algoritmo. Quando isso acontece, há uma sensação de que o avatar da IA ​​deve se declarar para simples avatares humanos. Não fazer isso seria injusto, de acordo com eticistas e filósofos que ponderam quais encontros podemos antecipar nos próximos metaversos de realidade virtual.

Jesus através da lente da realidade virtual

Considere agora o seguinte discurso de Jesus a partir dessa lente.

10 Na verdade, na verdade vos digo que aquele que não entra pela porta no curral das ovelhas, mas sobe por outra parte, é ladrão e salteador. Aquele, porém, que entra pela porta é o pastor das ovelhas. A este o porteiro abre, e as ovelhas ouvem a sua voz, e chama pelo nome às suas ovelhas e as traz para fora. E, quando tira para fora as suas ovelhas, vai adiante delas, e as ovelhas o seguem, porque conhecem a sua voz. Mas, de modo nenhum, seguirão o estranho; antes, fugirão dele, porque não conhecem a voz dos estranhos. Jesus disse-lhes esta parábola, mas eles não entenderam o que era que lhes dizia.

Tornou, pois, Jesus a dizer-lhes: Em verdade vos digo que eu sou a porta das ovelhas. Todos quantos vieram antes de mim são ladrões e salteadores, mas as ovelhas não os ouviram. Eu sou a porta; se alguém entrar por mim, salvar-se-á, e entrará, e sairá, e achará pastagens. 10 O ladrão não vem senão a roubar, a matar e a destruir; eu vim para que tenham vida e a tenham com abundância. 11 Eu sou o bom Pastor; o bom Pastor dá a sua vida pelas ovelhas. 12 Mas o mercenário, que não é pastor, de quem não são as ovelhas, vê vir o lobo, e deixa as ovelhas, e foge; e o lobo as arrebata e dispersa. 13 Ora, o mercenário foge, porque é mercenário e não tem cuidado das ovelhas. 14 Eu sou o bom Pastor, e conheço as minhas ovelhas, e das minhas sou conhecido. 15 Assim como o Pai me conhece a mim, também eu conheço o Pai e dou a minha vida pelas ovelhas. 16 Ainda tenho outras ovelhas que não são deste aprisco; também me convém agregar estas, e elas ouvirão a minha voz, e haverá um rebanho e um Pastor. 17 Por isso, o Pai me ama, porque dou a minha vida para tornar a tomá-la. 18 Ninguém ma tira de mim, mas eu de mim mesmo a dou; tenho poder para a dar e poder para tornar a tomá-la. Esse mandamento recebi de meu Pai.

19 Tornou, pois, a haver divisão entre os judeus por causa dessas palavras. 20 E muitos deles diziam: Tem demônio e está fora de si; por que o ouvis? 21 Diziam outros: Estas palavras não são de endemoninhado; pode, porventura, um demônio abrir os olhos aos cegos?

Mais conflito sobre as reivindicações de Jesus

22 E em Jerusalém havia a Festa da Dedicação, e era inverno. 23 E Jesus passeava no templo, no alpendre de Salomão. 24 Rodearam-no, pois, os judeus e disseram-lhe: Até quando terás a nossa alma suspensa? Se tu és o Cristo, dize-no-lo abertamente. 25 Respondeu-lhes Jesus: Já vo-lo tenho dito, e não o credes. As obras que eu faço em nome de meu Pai, essas testificam de mim. 26 Mas vós não credes, porque não sois das minhas ovelhas, como  vo-lo tenho dito. 27 As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu conheço-as, e elas me seguem; 28 e dou-lhes a vida eterna, e nunca hão de perecer, e ninguém as arrebatará das minhas mãos. 29 Meu Pai, que mas deu, é maior do que todos; e ninguém pode arrebatá-las das mãos de meu Pai. 30 Eu e o Pai somos um.

31 Os judeus pegaram, então, outra vez, em pedras para o apedrejarem. 32 Respondeu-lhes Jesus: Tenho-vos mostrado muitas obras boas procedentes de meu Pai; por qual dessas obras me apedrejais? 33 Os judeus responderam, dizendo-lhe: Não te apedrejamos por alguma obra boa, mas pela blasfêmia, porque, sendo tu homem, te fazes Deus a ti mesmo. 34 Respondeu-lhes Jesus: Não está escrito na vossa lei: Eu disse: sois deuses? 35 Pois, se a lei chamou deuses àqueles a quem a palavra de Deus foi dirigida (e a Escritura não pode ser anulada), 36 àquele a quem o Pai santificou e enviou ao mundo, vós dizeis: Blasfemas, porque disse: Sou Filho de Deus? 37 Se não faço as obras de meu Pai, não me acrediteis. 38 Mas, se as faço, e não credes em mim, crede nas obras, para que conheçais e acrediteis que o Pai está em mim, e eu, nele. 39 Procuravam, pois, prendê-lo outra vez, mas ele escapou de suas mãos,

João 10:1-39

Jesus, exatamente como os eticistas exortam os criadores de realidade virtual da Big Tech a fazer com seus avatares ‘oniscientes’, declarou-se abertamente como ‘enviado’ como o Criador onisciente de nossa realidade física.

Jesus como a ‘Palavra’ de Deus

Isto é o que o Evangelho significa em sua introdução, onde Jesus é apresentado como a ‘Palavra de Deus’

No princípio, era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez. Nele, estava a vida e a vida era a luz dos homens; e a luz resplandece nas trevas, e as trevas não a compreenderam.

Houve um homem enviado de Deus, cujo nome era João. Este veio para testemunho para que testificasse da luz, para que todos cressem por ele. Não era ele a luz, mas veio para que testificasse da luz. Ali estava a luz verdadeira, que alumia a todo homem que vem ao mundo, 10 estava no mundo, e o mundo foi feito por ele e o mundo não o conheceu. 11 Veio para o que era seu, e os seus não o receberam. 12 Mas a todos quantos o receberam deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus: aos que creem no seu nome, 13 os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do varão, mas de Deus. 14 E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do Unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade.

15 João testificou dele e clamou, dizendo: Este era aquele de quem eu dizia: o que vem depois de mim é antes de mim, porque foi primeiro do que eu. 16 E todos nós recebemos também da sua plenitude, com graça sobre graça. 17 Porque a lei foi dada por Moisés; a graça e a verdade vieram por Jesus Cristo. 18 Deus nunca foi visto por alguém. O Filho unigênito, que está no seio do Pai, este o fez conhecer.

João 1:1-18

Assim como o código de computador é a base sobre a qual as realidades virtuais das grandes empresas de tecnologia estão sendo desenvolvidas, o Evangelho, ao representar Jesus como a AZ ‘Palavra’ de Deus, é a fonte de informação – a mente – por trás da qual nossa realidade física foi desenvolvido. Conhecer o imenso talento, habilidade e trabalho necessários para desenvolver o código que produz as realidades virtuais de TI emergentes nos diz o grau de inteligência e informação necessários para produzir nossa realidade física.

A Realidade Transcendente

Mas o Evangelho não se limita a declarar a fonte de nossa realidade física. Descreve outra realidade, mais fundamental que esta. Como Jesus disse

21 Disse-lhes, pois, Jesus outra vez: Eu retiro-me, e buscar-me-eis e morrereis no vosso pecado. Para onde eu vou não podeis vós ir. 22 Diziam, pois, os judeus: Porventura, quererá matar-se a si mesmo, pois diz: Para onde eu vou não podeis vós ir? 23 E dizia-lhes: Vós sois de baixo, eu sou de cima; vós sois deste mundo, eu não sou deste mundo. 24 Por isso, vos disse que morrereis em vossos pecados, porque, se não crerdes que eu sou, morrereis em vossos pecados. 25 Disseram-lhe, pois: Quem és tu? Jesus lhes disse: Isso mesmo que já desde o princípio vos disse. 26 Muito tenho que dizer e julgar de vós, mas aquele que me enviou é verdadeiro; e o que dele tenho ouvido, isso falo ao mundo. 27 Mas não entenderam que ele lhes falava do Pai. 28 Disse-lhes, pois, Jesus: Quando levantardes o Filho do Homem, então, conhecereis quem eu sou e que nada faço por mim mesmo; mas falo como o Pai me ensinou. 29 E aquele que me enviou está comigo; o Pai não me tem deixado só, porque eu faço sempre o que lhe agrada. 30 Dizendo ele essas coisas, muitos creram nele.

João 8:21-30

Jesus fala sobre outra realidade, outro mundo, que não podemos acessar. Para entender por que é inacessível para nós, precisamos ver alguns problemas que Meta (anteriormente Facebook) está tendo no desenvolvimento de seu Meta-Verse.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *