O Reino de Deus: Muitos são convidados, mas…

  • por
Karl Marx em 1875

Karl Marx (1818-1883) nasceu em uma família de estudiosos judeus. Seu avô paterno serviu como rabino até sua morte. Sua mãe vinha de uma longa linhagem de rabinos originários de uma faculdade talmúdica na Itália. No entanto, o pai de Marx, influenciado por Voltaire, garantiu que Karl recebesse sua educação em uma escola dominada pelo humanismo liberal.

Karl Marx, quando jovem, tornou-se um ávido estudante de filosofia. No entanto, mais tarde ele se tornou crítico da filosofia porque, como ele disse,

“filósofos só interpretaram o mundo de várias maneiras, o objetivo é mudá-lo”

Karl Marx. Tese 11, Teses sobre Feuerbach 1845

Assim, Marx partiu para mudar o mundo e o fez através de seus escritos, sendo o mais conhecido “O Manifesto Comunista” e “Das Kapital”, os últimos volumes foram publicados por seu colega Freidrich Engels.

Países que tentaram o comunismo marxista

Esses escritos serviram de ideologia para as revoluções comunistas que vieram ao mundo no século 20 estabelecendo um novo tipo de governo.

Karl Marx – rabino secular pressionando por um Reino do Homem através da Revolução

Embora antirreligioso e adotando uma postura ‘científica’, Marx demonstrou a maior fé religiosa – simplesmente não para a religião teísta. Marx explicou a história humana teorizando que as classes sociais entram em conflito umas com as outras em todas as sociedades. Em sua opinião, a classe trabalhadora de sua época (a proletariado) derrubaria a burguesia (a classe rica com dinheiro que controlava os meios de produção). Ele fez uma campanha por uma revolução violenta e derrubaria a burguesia pelos trabalhadores. Primeiro, Lenin e Trotsky implementaram suas ideias, liderando a revolução bolchevique de 1917 na Rússia, que lançou a União Soviética. Outros seguiram fazendo de Marx um dos principais transformadores do mundo do século 20.

Você pode pensar que, uma vez que Marx reivindicou uma base científica para suas teorias, ele teria estudado minuciosamente e se misturado com os trabalhadores de sua época. Mas Marx não usou uma metodologia científica, mas sim uma rabínica. Ele nunca pôs os pés em uma fábrica. Em vez disso, ele se trancou em bibliotecas para ler sobre os trabalhadores, como os rabinos se trancam para o estudo do Talmud. Em sua leitura ele simplesmente revisou e

aceitou o material que iria ‘provar’ o que ele já acreditava. Desta maneira, ele demonstrou uma fé religiosa zelosa em suas ideias.

Marx via a história como um impulso inevitável para o progresso pela revolução. Leis sociais sempre ativas governavam esse progresso. Seus escritos são lidos como a Torá de um ateu; como uma obra religiosa com controle exercido, não por um deus, mas pela intelectualidade que mestreava seus escritos.

A busca da humanidade por uma sociedade justa

Os judeus têm estado na vanguarda da busca da humanidade por um governo político bom e justo. Karl Marx é um exemplo proeminente disso, sendo uma das pessoas mais influentes da década do século 20.

Jesus de Nazaré também ensinou sobre a criação de uma sociedade justa e boa. Mas Jesus ensinou que uma sociedade de shalom (paz e abundância) viria com o ‘Reino de Deus’. Como Marx, ele se via como líder no estabelecimento dessa nova sociedade. Mas ele não foi pioneiro em sua chegada trancando-se lendo e escrevendo como Marx fez. Em vez disso, ele vivia com aqueles que procurava influenciar e os ensinava diretamente sobre o Reino de Deus. Continuamos explorando Jesus de Nazaré retratado nos Evangelhos.

Jesus e o Reino de Deus

Jesus tinha autoridade tal que doenças e até a natureza obedeceu ao seu comando. Também ensinou no Sermão do Monte como os cidadãos do Reino devem amar uns aos outros. O amor ao invés da revolução foi a base para a sociedade que Jesus previu. Pense na miséria, morte, injustiça e horror que experimentamos hoje porque não seguimos esse ensinamento.

Diferente de Marx, Jesus usou a imagem de uma festa para explicar o avanço do Reino, não uma luta de classes sociais. O meio para este partido não era a revolução de uma classe social impondo-se a outra classe. Em vez disso, convites amplamente distribuídos com liberdade para aceitação ou rejeição estabeleceriam Seu Reino.

Parábola da Grande Festa

Jesus imaginou uma grande festa para ilustrar o alcance do convite para o Reino. Mas as respostas não saem como esperamos. O Evangelho conta:

“Ao ouvir isso, um homem sentado à mesa com Jesus exclamou: “Que bênção será participar de um banquete no Reino de Deus!”

“16 Jesus respondeu com esta história: “Um homem preparou uma grande festa e enviou muitos convites. 17 Quando o banquete estava pronto, ele enviou seu servo para dizer aos convidados: ‘Venham, o banquete está pronto.’ 18 Mas todos começaram a dar desculpas. Um disse: ‘Acabei de comprar um campo e devo inspecioná-lo. Por favor, dê-me licença.’ 19 Outro disse: ‘Acabei de comprar cinco pares de bois e quero experimentá-los. Por favor, dê-me licença.’ 20 Outro disse: ‘Acabei de me casar, então não posso ir’.

21 “O servo voltou e contou ao seu senhor o que eles haviam dito. Seu mestre ficou furioso e disse: ‘Vá rapidamente para as ruas e becos da cidade e convide os pobres, os aleijados, os cegos e os coxos.’ 22 Depois que o servo fez isso, ele relatou: ‘Ainda há espaço para mais’. 23 Então seu mestre disse: ‘Vá para os caminhos do campo e por trás das sebes e peça a quem você encontrar que venha, para que a casa fique cheia. 24 Pois nenhum daqueles que eu convidei primeiro terá o menor gosto do meu banquete.’””

Lucas 14:15-24

A Grande Reversão: Convites Recusados

Nossos entendimentos aceitos são invertidos – muitas vezes – nesta história. Primeiro, podemos supor que Deus não convidará muitos para o Seu Reino (que é o Banquete da Casa) porque não encontra muitas pessoas dignas.

Isso está errado.

O convite para o Banquete vai para muitas, muitas pessoas. O Mestre (Deus nesta história) quer que o banquete seja cheio de pessoas.

Mas ocorre uma reviravolta inesperada. Muito poucos dos convidados realmente querem vir. Em vez disso, eles inventaram desculpas para não precisarem comparecer! E pense como as desculpas são irracionais. Quem compraria bois sem primeiro experimentá-los antes de comprá- los? Quem compraria um campo sem antes dar uma olhada nele? Não, essas desculpas

revelaram as verdadeiras intenções dos corações dos convidados – eles não estavam interessados no Reino de Deus, mas tinham outros interesses.

O Rejeitado Aceita

Justamente quando pensamos que talvez o Mestre fique frustrado com tão poucos presentes ao banquete, há outra reviravolta. Agora as pessoas ‘improváveis’, aquelas que todos nós descartamos em nossas mentes como indignas de serem convidadas para uma grande festa, aquelas que estão em

“ruas e becos” e “estradas e vielas” distantes, que são “pobres, aleijados, cegos e coxos” – daqueles de quem muitas vezes nos afastamos – eles recebem convites para o banquete. Os convites para este banquete vão muito além e abrangem mais pessoas do que você e eu imaginávamos ser possível. O Mestre do Banquete quer pessoas lá e até convidará aqueles que nós mesmos não convidaríamos para nossa casa.

E essas pessoas vêm! Eles não têm outros interesses concorrentes para distrair seu amor, então eles vêm ao banquete. O Reino de Deus é pleno e a vontade do Mestre é cumprida!

Jesus contou esta parábola para nos fazer uma pergunta: “Eu aceitaria um convite para o Reino de Deus se eu recebesse um?” Ou um interesse ou amor conflitante faria com que você desse uma desculpa e recusasse o convite? Você e eu estamos convidados para este Banquete do Reino, mas a realidade é que a maioria de nós recusará o convite por uma razão ou outra. Nós nunca diríamos ‘não’ diretamente, então oferecemos desculpas para esconder nossa rejeição. No fundo, temos outros ‘amores’ que estão na raiz de nossa rejeição. Nesta parábola, a raiz da rejeição era o amor por outras coisas. Os primeiros convidados amaram mais as coisas deste mundo (representadas pelo ‘campo’, ‘bois’ e ‘casamento’) do que o Reino de Deus.

Parábola do Sacerdote Injustificado

Alguns de nós amam mais as coisas deste mundo do que o Reino de Deus e por isso vamos recusar este convite. Outros amam ou confiam em nosso próprio mérito justo. Jesus também ensinou sobre isso em outra história usando um líder religioso como exemplo:

“Então Jesus contou esta história a alguns que tinham grande confiança em sua própria justiça e desprezavam todos os outros: 10 “Dois homens foram ao Templo para rezar. Um era fariseu e o outro era um cobrador de impostos desprezado. 11 O fariseu ficou sozinho e fez esta oração: ‘Eu te agradeço, Deus, que eu não sou como as outras pessoas – trapaceiros, pecadores, adúlteros. Eu certamente não sou como aquele cobrador de impostos! 12 Jejuo duas vezes por semana e dou a você um décimo de minha renda.

13 “Mas o cobrador de impostos estava à distância e não ousava nem levantar os olhos para o céu enquanto orava. Em vez disso, ele bateu no peito de tristeza, dizendo: ‘Ó Deus, tem misericórdia de mim, pois sou um pecador.’ 14 Eu lhe digo, este pecador, não o fariseu, voltou para casa justificado diante de Deus.

Pois quem se exalta será humilhado, e quem se humilha será exaltado”.”

Lucas 18: 9-14

Nós barramos nossa própria entrada

Aqui um fariseu (um mestre religioso como um sacerdote) parecia ser perfeito em seu esforço e mérito religioso. Seu jejum e esmolas foram ainda mais do que o necessário. Mas ele colocou sua confiança em sua própria justiça. Isso não era o que Abraão havia mostrado muito antes, quando ele recebeu justiça simplesmente pela humilde confiança na promessa de Deus. De fato, o cobrador de impostos (uma profissão imoral na época) pediu humildemente misericórdia. Confiando que havia recebido misericórdia, ele foi para casa ‘justificado’ – bem com Deus – enquanto o fariseu (sacerdote), que assumimos estar ‘bem com Deus’ ainda tem seus pecados contados contra ele.

Então Jesus pergunta a você e a mim se realmente desejamos o Reino de Deus, ou se é apenas um interesse entre muitos outros interesses. Ele também nos pergunta em que estamos confiando – em nosso mérito ou na misericórdia de Deus.

O Estado comunista ideal

A doutrina marxista ensinava que uma revolução de classe traria o melhor da sociedade humana. Jesus ensinou que o Reino de Deus avançaria simplesmente aceitando seu convite. Os anais da história em todo o mundo documentam os horrores e as matanças indescritíveis que o marxismo desencadeou no mundo. Compare isso com a sociedade que os seguidores imediatos de Jesus estabeleceram logo após sua partida.

E todos os crentes se reuniram em um só lugar e compartilharam tudo o que tinham. 45 Eles venderam suas propriedades e posses e dividiram o dinheiro com os necessitados. 46 Eles adoravam juntos no Templo todos os dias, reuniam-se nas casas para a Ceia do Senhor e compartilhavam suas refeições com grande alegria e generosidade— 47 o tempo todo louvando a Deus e desfrutando da boa vontade de todo o povo. E a cada dia o Senhor acrescentava à sua comunhão aqueles que estavam sendo salvos.”

Atos 2: 44-47

Essas pessoas viveram o slogan que Marx defendia:

“De cada um de acordo com sua capacidade, de cada um de acordo com suas necessidades”

Karl Marx, 1875, Crítica do Programa de Gotha

Essas pessoas forjaram uma sociedade com a qual Marx sonhou, mas os seguidores de Marx não conseguiram alcançar, apesar de incontáveis tentativas.

Por quê?

Marx não conseguiu ver o tipo de revolução necessária para criar uma sociedade igualitária. Da mesma forma, corremos o risco de não ver a revolução necessária. Esta revolução não foi no nível de uma classe de pessoas contra outra como Marx ensinou, mas sim na psique de cada pessoa contemplando seu convite para o Reino de Deus. Vemos isso claramente quando comparamos o que Jesus ensinou sobre a psique quando comparado com aquele outro grande pensamento judaico da psique humana – Sigmund Freud.7

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *